Blog do Vlad

O caso Faysal Pamuk vs. Turquia (2022) e a instrução criminal por precatória

Pamuk, ex-membro do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), foi acusado de terrorismo pelo Ministério Público turco.

27/06/2022 10h09, Por Vladimir Aras

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Foto: Reprodução

No caso Faysal Pamuk vs. Turquia (2022), o Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) considerou ter havido violação ao art. 6º, §1º (direito a um julgamento justo) e ao §3.d (direito de obter o comparecimento das testemunhas a serem inquiridas) da Convenção Europeia de Direitos Humanos.

Pamuk, ex-membro do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), foi acusado de terrorismo pelo Ministério Público turco. No processo, o juízo que o condenou a prisão perpétua fundamentou seu veredicto especialmente em declarações transcritas obtidas noutras comarcas em audiências realizadas sem a presença do réu ou de seu advogado.

Para o TEDH, dadas as circunstâncias do caso concreto, a expedição de cartas precatórias para a coleta dos depoimentos de testemunhas noutras comarcas não foi um método adequado para assegurar a Faysal Pamuk um julgamento justo (fair trial). E deu quatro razões para assim entender.

Em primeiro lugar, a possibilidade de expedir precatórias significava que os tribunais nacionais turcos podiam deixar de checar se, para cada uma das testemunhas arroladas na ação penal, havia justificativa adequada para seu não comparecimento à sessão de julgamento do réu, acusado de um crime grave.

Em segundo lugar, entendeu o TEDH que a instrução por precatória impõe aos réus ou a seus advogados o ônus de deslocar-se a outra cidade para participar de audiências de oitiva de testemunhas, para que possam exercer o direito de inquiri-las, o que representa um ônus desproporcional para a defesa.

Em terceiro lugar, a legislação nacional turca, segundo o TEDH, “parecia impedir a participação de um réu preso em uma audiência fora da comarca de sua detenção”, o que também impacta no direito de defesa.

Em quarto lugar, a instrução por meio de precatórias põe em xeque o princípio da imediatidade, “uma vez que o tribunal de primeira instância não teria a possibilidade de observar diretamente o comportamento e a credibilidade de determinadas testemunhas”.

Por tais motivos, concluiu a Corte Europeia que a ausência de quatro testemunhas cruciais para a decisão da causa, a falta de acareação entre elas e o réu e a utilização pelo juízo desses depoimentos como provas basilares para a condenação de Pamuk a prisão perpétua, sem as contracautelas processuais adequadas, são fatores que prejudicaram o pleno exercício da defesa.

Pode-se perceber que, para o TEDH, a expedição de precatórias para oitiva de testemunhas de fora da terra deve compatibilizar-se com o exercício da ampla defesa, especialmente quando o réu estiver preso. Os princípios da oralidade (que se adequa a depoimentos presenciais e telepresenciais), da imediação e do confronto (inerente ao contraditório) devem ser observados.

No Brasil, desde a Lei 11.900/2009, é possível a tomada de depoimentos de testemunhas de fora da terra (isto é, residentes noutra comarca ou noutra seção ou circunscrição) por meio de videoconferência, sob a presidência do juiz competente para a ação penal.

A instrução criminal por videoconferência é apta a contornar grande parte dos argumentos adotados pela Corte Europeia para – acertadamente – censurar a condenação do militante do PKK a prisão perpétua, por violação ao art. 6º da Convenção Europeia. Confiramos, no que nos diz respeito, o que estabelece o art. 222, §3º do CPP.

Diante da evolução tecnológica, da progressiva digitalização da justiça e considerando-se o direito ao fair trial e os princípios reitores do devido processo, a instrução criminal por cartas precatórias deve ser cada vez mais rara.

A realização de videoconferência criminal para teleinterrogatórios e teledepoimentos e outros atos da instrução deve sempre ser a opção preferencial dos juízes, em substituição ao emprego como prova de declarações transcritas, tomadas noutro juízo ou mesmo noutro país, por juízes alheios ao caso a ser julgado.

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

image image image image image image
Categorias Vladimir Aras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

Blog

Cooperação Interinstitucional em prol da Cooperação Internacional

Países atingidos por grandes esquemas de corrupção podem valer-se de advogados privados atuando no exterior para contornar dificuldades próprias da cooperação internacional baseada em tratados de assistência mútua.

25/07/2022 às 15h30

Vladimir Aras

A proteção às vítimas da violência institucional

O crime de violência institucional também será majorado, com a pena do tipo básico aplicada em dobro, se o próprio agente público intimidar a vítima de crime violento, disso resultando sua revitimização.

15/07/2022 às 10h18

Vladimir Aras

Lavagem de dinheiro: alterada a Recomendação 24 do Gafi sobre a identificação de beneficiários finais

A entidade, que tem sede em Paris, dificultou o uso de entidades offshore, shell companies e empresas de fachada para ocultação do patrimônio de pessoas físicas

01/07/2022 às 12h51

Blog do Vlad

Boate Kiss: A seleção dos jurados e o direito à proteção de dados pessoais

A Lei 9.807/1999, que cuida da proteção a vítimas, testemunhas e réus colaboradores, e a Lei 13.608/2018, que regula os incentivos e instrumentos de proteção a alertadores (whistleblowers) são outros exemplos notáveis da aplicação de regras de proteção de dados no campo da persecução criminal

17/05/2022 às 11h22
Image

Artigo

A proteção às vítimas da violência institucional

A lei tem vigência imediata, punindo-se a partir dessa mesma data a revitimização praticada por agentes estatais, conduta que passa a ser descrita no art. 15-A da Lei de Abuso de Autoridade.

22/04/2022 às 08h51
Image

Artigo

Sobrecarga na autoridade central de cooperação internacional norte-americana

Investigações demoradas também prejudicam os investigados e as vítimas, impactando na eficiência dos órgãos de persecução criminal e na prestação jurisdicional.

29/03/2022 às 14h03

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade