Música

Das coisas que aprendi nos discos: Ideologia – Cazuza, 1988

Ideologia é o terceiro disco solo de Cazuza, gravado três anos depois de sua despedida do Barão Vermelho.

05/12/2020 10h11, Por Rachel Pinto

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Por Carlos H. Kruschewsky*


"Os meus sonhos foram todos vendidos
Tão barato que eu nem acredito
Eu nem acredito"

.
Em 1985, saia de sua banda de origem uma das maiores vozes do rock nacional. Os motivos pelo qual Agenor de Miranda Araújo Neto, mais conhecido como Cazuza, deixava o Barão Vermelho eram muitos. Há quem diga que suas febres constantes (o início dos sintomas da AIDS, que o mataria em 07 de julho de 1990) deixaram o artista com uma ânsia gigantesca de experimentar outros estilos e outros movimentos musicais. O flerte com o samba, por exemplo, passou a ganhar muita força.

Ideologia é o terceiro disco solo de Cazuza, gravado três anos depois de sua despedida do Barão Vermelho. É, sem dúvida, um disco importantíssimo para o rock brasileiro. Cazuza fala abertamente sobre seu pensamento político, suas desilusões sociais, sua doença e a morte. É um disco pessoal. O Garoto que queria mudar o mundo não só tomava consciência da incapacidade de fazer isso, quanto também tomava consciência de sua finitude. “Eu vi a cara da morte e ela estava viva”.

Este disco, gravado pouco tempo depois de Cazuza voltar dos EUA, após um período internado, tem canções conhecidas por todo mundo, como “Brasil”, “Faz parte do meu show” (com arranjos de Bossa Nova e uma orquestra acompanhando) e “Ideologia”. As duas últimas foram as músicas mais tocadas nas rádios do país, em 1988.

Você pode até imaginar que o disco leva o nome da música que abre o álbum. A verdade é que Ideologia é um disco conceitual, da melhor espécie, e tudo nele discute o seu título. A busca por uma ideologia, um sentido de coletividade que sequestre o sujeito se uma condição angustiante e assim oculte a realidade.
.
MELHORES FAIXAS:
•Ideologia
•Blues da Piedade
•Faz parte do meu show
.

*Carlos H. Kruschewsky é psicólogo, psicanalista, presidente do Dragornia Moto Club, BeerSommelier, Homebrewer, sócio da Dragornia Cervejaria e Colecionador de Discos. Instagram: @sr.ck @dragornia

 

Leia também:

Das coisas que aprendi nos discos: Alucinação – Belchior, 1976

Das coisas que aprendi nos discos: As Quatro Estações – Legião Urbana, 1989

Das coisas que aprendi nos discos: Mamonas Assassinas, 1995

Das coisas que aprendi nos discos: Sgt. Pepper's Lonely Heart Club Band – The Beatles, 1967

Das coisas que aprendi nos discos: Krig-ha, Bandolo! – Raul Seixas, 1973

Das coisas que aprendi nos discos: Appetite for Destruction – Guns n' Roses, 1989

Das coisas que aprendi nos discos: Paulo Diniz – Paulo Diniz, 1985

Das coisas que aprendi nos discos: Dire Straits – Dire Straits, 1978 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade