Acorda Cidade - Dilton Coutinho

28 de Maio de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Feira de Santana

Todas as notícias
Publicado em 20/05/2020 08h50.

Reintegração de rodoviários demitidos em Feira depende de decisão judicial, esclarece MPT

O órgão ajuizou ação civil pública na semana passada mostrando que a dispensa em massa foi feita sem negociação prévia.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Reintegração de rodoviários demitidos em Feira depende de decisão judicial, esclarece MPT
Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Acorda Cidade

O Ministério Público do Trabalho (MPT) na Bahia aguarda a decisão da 6ª Vara do Trabalho de Feira de Santana em relação ao pedido de reintegração imediata dos 293 rodoviários demitidos irregularmente pelas duas empresas responsáveis pelo transporte público do município de Feira de Santana. A informação é da assessoria de comunicação do MTP.

O órgão informu que ajuizou ação civil pública na semana passada mostrando que a dispensa em massa foi feita sem negociação prévia, sem comunicação ao sindicato, atingindo empregados que estão em situação de estabilidade e descumprindo acordo de manutenção dos empregos firmado há pouco mais de um mês.

Ainda segundo o MTP, a procuradora do trabalho Annelise Leal, autora da ação, assinada junto com o procurador Ilan Fonseca, avalia as demissões dos 293 rodoviários de Feira de Santana como nulas e abusivas. Para ela, “toda demissão em massa deve ser precedida de uma negociação coletiva. É necessário que as partes dialoguem e busquem outras soluções que não seja a demissão”. Agora, ela espera uma decisão favorável da Justiça para a reintegração imediata e a retomada das negociações entre Sindicato dos Rodoviários, prefeitura de Feira de Santana e as empresas Rosa e São João.

Segundo a procuradora do trabalho, a redução de jornada e de salários com a garantia da manutenção dos empregos, prevista na MP 936 do Governo Federal, foi acordada pelas empresas com os empregados em acordo assindo dia 13 de abril. “Era necessário que se aguardasse minimamente o prazo da implementação dessas medidas previstas no programa do Governo Federal e essas empresas se negaram a aguardar esse prazo, além de não terem dado nenhuma alternativa a essas demissões”, pontua.

As duas empresas romperam acordo firmado com o Sindicato dos Rodoviários e anunciaram a dispensa em massa de 293 empregados no último dia 5, sem comunicação ou negociação prévia à entidade. No dia 13 de abril, um acordo fechado entre empregadores e empregados permitiu a suspensão de contratos e a redução da jornada e da remuneração mediante a garantia da manutenção dos postos de trabalho. Ainda assim, a Rosa e a São João fizeram a dispensa em massa.

A prefeitura chegou a acenar com a possibilidade de antecipação de créditos e outras medidas para atenuar os impactos econômicos da redução drástica do número de passageiros registrada desde o início das medidas de prevenção à pandemia. Mas as duas empresas se negaram a negociar uma suspensão das dispensas enquanto esses créditos eram providenciados.

O que diz as empresas

Sobre a informação dada pelo Ministério Público do Trabalho as empresas de ônibus Rosa e São João informaram os custos da prestação de serviço são elevados e permanecerem os mesmos para a manutenção do quadro de pessoal, independente da redução de 70% da jornada de trabalho do colaborador. Disseram também é preciso levar em consideração a redução de mais de 75% da receita das concessionárias de transporte público urbano de Feira de Santana e que estão unindo esforços para manter o serviço essencial.

Confira a nota na íntegra:
 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Auto Ônibus São João e a Empresa de Ônibus Rosa esclarecem que, mesmo aderindo à Medida Provisória 936 que permite redução da carga horária e dos salários dos colaboradores durante a crise provocada pela pandemia da Covid-19, a ação torna-se insuficiente por conta dos custos elevados (vale-refeição, convênio médico hospitalar, uniformes, equipamentos de proteção individual - EPI, entre outros, exceto encargos) permanecerem os mesmos para a manutenção do quadro de pessoal, independente da redução de 70% da jornada de trabalho do colaborador.

É preciso, também, levar em consideração a redução de mais de 75% da receita das concessionárias de transporte público urbano de Feira de Santana. Contudo, todos os esforços conjuntos estão sendo feitos a fim de mantermos o serviço de atendimento essencial aos usuários, ofertando 50% das viagens, bem como veículos e mão de obra dos envolvidos no sistema de transporte.

Ainda, diante da grave crise econômica nacional e local, fica inviável manter o pagamento da outra metade dos empregados parados (sem trabalhar ou com redução na jornada de trabalho), somados também aos custos fixos, como aluguel, segurança, administração, manutenção, limpeza e financiamentos dos veículos.

Outro fator importante é que as concessionárias de transporte coletivo estão atentas às mudanças dos hábitos de consumo e de deslocamentos das pessoas, pois, consequentemente, refletirão nas vendas e no uso do Sistema Integrado de Transporte. As alterações já podem ser observadas no transporte coletivo da cidade que, mesmo com a liberação parcial do funcionamento do comércio, ocorrida no último dia 21 de abril, o número de passageiros transportados se manteve abaixo do normal, não ultrapassando 30% da quantidade quando comparada anterior ao início da pandemia.

A respeito da reintegração dos funcionários, a Empresa Rosa e a Auto Ônibus São João informam que, até o momento, não houve decisão na ação proposta pelo Ministério Público do Trabalho (MPT)

Assessoria de Comunicação
Auto Ônibus São João
Empresa de Ônibus Rosa
 

Leia também:

Sindicato diz que não aceita demissões e que medida cautelar impede empresas retirarem ônibus da cidade

Empresas de ônibus vão demitir 293 rodoviários em Feira de Santana, informa sindicato

Empresa de ônibus Rosa afirma que desistiu de levar adiante decisão de rescindir contrato com a prefeitura

Moradores da Zona rural encerraram acampamento em frente à garagem da empresa de ônibus Rosa

Moradores da Zona rural continuam acampados em frente à garagem da empresa de ônibus Rosa

Transporte coletivo: terminais Norte, Sul e Central estão fechados

Em protesto, moradores da zona rural bloqueiam saída de ônibus da garagem da empresa Rosa

Moradores da zona rural vão recorrer ao Ministério Público para resolver situação do transporte coletivo

Passageiros fazem manifestação em frente à prefeitura contra a precariedade do transporte público na zona rural

Passageiros fecham terminal contra substituição de ônibus por vans em linhas distritais

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Cerca de 30 pessoas apresentam sintomas de chikungunya em bairro de Feira de Santana
Feira de Santana

Cerca de 30 pessoas apresentam sintomas de chikungunya em bairro de Feira de Santana

O gerente de endemias Edvaldo Correia esteve no local a convite do Acorda Cidade.

2.230 pessoas perderam empregos com carteira assinada no mês de abril Feira de Santana
Desemprego

2.230 pessoas perderam empregos com carteira assinada no mês de abril Feira de Santana

Os dados são do Caged. Depois de Salvador, Feira de Santana foi a cidade da Bahia que mais perdeu postos de e...

Bancos e casas lotéricas têm longas filas nesta quinta-feira (28) em Feira de Santana
Feira de Santana

Bancos e casas lotéricas têm longas filas nesta quinta-feira (28) em Feira de Santana

Mesmo com o comércio fechado, há grande circulação de pessoas e veículos nas ruas da cidade. Em algumas c...

Vídeo

Auxílio emergencial: filas tranquilas em agências da Caixa neste feriado antecipado de São João Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram