Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  •  Reserva Lumiere
  • Gov BA modelo de gestão
18 de Agosto de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Polícia

Todas as notícias
Publicado em 18/07/2019 20h55.

Professora é condenada a um ano por matar policial civil em São Gonçalo dos Campos

O crime aconteceu em 2015 durante uma briga entre o casal.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Professora é condenada a um ano por matar policial civil em São Gonçalo dos Campos
Foto: Aldo Matos/Acorda Cidade

Andrea Trindade

Foi condenada a um ano de prisão por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, a professora Meire dos Santos Pedreira, que matou com um tiro o marido, o policial civil Mário Cézar Pedreira Filho conhecido como Marão. O crime aconteceu em 2015 durante uma briga entre os dois.

O julgamento foi realizado nesta quinta-feira (18), no Fórum João Mendes, em São Gonçalo dos Campos, onde ela mora. A ré aguardou o julgamento em liberdade e vai continuar em liberdade, uma vez que a defesa recorreu da decisão do juri, para que a pena fique abaixo do mínimo e assim haja a prescrição. 

O júri durou cerca de 11 horas e foi presidido pelo juiz João Batista Dantas. Na acusação estava o promotor de Justiça Ariomar José Figueiredo da Silva e na assistência de acusação o advogado Walter Fernandes Júnior. A defesa dela foi formada pelos advogados Dálvaro Neto e Hercules Oliveira. O jurado foi formado por sete mulheres. 

O crime

O crime aconteceu no dia 20 de agosto 2015 no quarto da residência do casal. Ela usou a arma do marido. A ré contou no julgamento que estava em casa, deitada, quando recebeu uma mensagem em seu celular enviada pela amante de Marão para ela, dizendo que jamais iria deixa-lo.

O fato motivou uma briga entre o casal e ela questionou quem era a amante. Meire afirmou que foi agredida pelo marido e que pegou a arma que estava em cima da cômoda para se defender. A arma disparou contra ele, e ela acionou uma ambulância para prestar o socorro.

Durante o julgamento a professora disse que conviveu com Marão por 25 anos e que sempre sofreu agressões do marido. Contou que teve um braço fraturado e que sofreu muito durante esse tempo. Meire informou que os filhos sentiram muita raiva dela ao saber o que aconteceu, mas que quando ela explicou o que motivou a briga, os filhos a perdoaram e decidiram continuar convivendo com ela. Durante o julgamento a ré chorou ao dizer que amava o marido, mas que sofria muitas agressões.

A defesa

O advogado Hercules Oliveira explicou que a defesa apresentou duas teses, mas a que prevaleceu foi a de homicídio culposo.

"Não saiu ninguém vitorioso. Duas famílias destruídas, a família da vítima e a família que a vítima construiu ao lado de Dona Meire com dois filhos. Um ano de prisão foi o melhor resultado encontrado pelo corpo de jurados ao reconhecer a tese defensiva de que o homicídio foi culposo em face aos fatos narrados e a prova pericial. A defesa apelou por entender que ainda há uma possibilidade, dentro do processo, de se buscar a absolvição de Dona Meire. A defesa apresentou duas teses: uma tese da legítima defesa, e uma tese da subsidiária do homicídio culposo. O corpo de jurados entendeu que a tese do homicídio culposo se encaixava melhor aos fatos narrados”, informou o advogado ao Acorda Cidade.

Ela não ficará presa

O advogado Dálvaro Neto destacou que trabalha no caso desde o início do processo e disse que por ter sido condenada a pena mínima, ela não ficará presa.

"É uma pena mínima, que não vai dá prisão. Por ter sido culposo, ela vai continuar recebendo os subsídios necessários para a sobrevivência dela e da família, tendo em vista os problemas psíquicos e de ordem de saúde - ela sofre de endometriose (...). Ela não vai ser presa porque a pena foi de um ano. Ela vai dar continuidade a vida dela, criar os filhos dela, manter a integridade dela porque em momento algum ela procurou namorado, festas, pelo contrário, ela viveu para a família. É um homicídio que contraria as estatísticas porque geralmente é o homem que mata a mulher, e nesse caso foi ela que mantou o marido, tomando pancada, tomando murros. A arma é de tiro rápido e quando ela pegou a arma o dedo pegou no gatilho e disparou. A arma é automática, ela não mirou para atingi-lo. A imperícia dela foi reconhecida”, explicou.

O promotor de Justiça Ariomar José considerou a decisão do conselho de sentença equilibrada e destacou que a pena foi adequada ao fato.

Com informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade 

Fotos: Aldo Matos/Acorda Cidade

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

PRF recupera carga de agrotóxicos avaliada em R$ 740 mil e resgata caminhoneiro feito refém em tentativa de assalto
Bahia

PRF recupera carga de agrotóxicos avaliada em R$ 740 mil e resgata caminhoneiro feito refém em tentativa de assalto

Homem transportava mercadoria na BR-101, quando foi atacado por criminosos armados. Suspeitos fugiram ao perce...

Polícia

Justiça decreta prisão preventiva contra dois filhos de Flordelis

Anderson foi assassinado na madrugada de 16 de junho, na residência do casal, em Niterói.

Polícia

Operação cumpre quatro mandados de prisão em Anguera

A ação é uma resposta aos crimes contra a vida que ocorreram na cidade entre os anos de 2016 a 2018.

Vídeo

Idoso de 83 anos tem traumatismo craniano após ser agredido por homem no bairro Capuchinhos Veja mais Vídeos ›

Podcast

Trabalhadores protestam a favor da educação durante ato público em Feira de Santana
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram