Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM BA METAS
  • SECOM BA METAS
19 de Maio de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Vladimir Aras

Todas as notícias
Publicado em 16/04/2019 10h25.

O inquérito K

"O STF é o mais alto tribunal do País, merece o respeito da nação e tem uma importante missão constitucional a cumprir".
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
O inquérito K
Foto: Divulgação

Por Vladimir Aras

Há quase 200 anos, o Conde dos Arcos deu ao futuro processo penal brasileiro uma contribuição inestimável.

Em 1821, ainda na época do sistema processual inquisitivo e poucos meses antes da independência do País, a Regência mostrava que, a exemplo de Lisboa, tomaria rumo liberal.

No Decreto de 23 de maio daquele ano, o Príncipe Regente ordenava “providências para garantia da liberdade individual” e para a promoção da segurança individual, tendo em vista o fracasso histórico de leis que não “pegavam”. Transcrevo:

“Vendo que nem a Constituição da Monarchia Portugueza, em suas disposições expressas na Ordenação do Reino, nem mesmo a Lei da Reformação da Justiça de 1582, com todos os outros Alvarás, Cartas Régias, e Decretos de Meus augustos avós tem podido affirmar de um modo inalterável, como é de Direito Natural, a segurança das pessoas;”

Referindo-se ao nosso ancestral hábito de não cumprirmos as leis, a Corte do Rio de Janeiro anunciava ter em conta que:

“(…) alguns Governadores, Juizes Criminaes e Magistrados, violando o Sagrado Deposito da Jurisdicção que se lhes confiou, mandam prender por mero arbitrio, e antes de culpa formada, pretextando denuncias em segredo, suspeitas vehementes, e outros motivos horrorosos à humanidade para impunimente conservar em masmorras, vergados com o peso de ferros, homens que se congregaram convidados por os bens, que lhes offerecera a Instituição das Sociedades Civis, o primeiro dos quaes é sem duvida a segurança individual”.

Diante disto, tomando como seu dever a promoção de um austero respeito à lei, o Príncipe Regente aprovou a legislação proposta pelo Conde dos Arcos. Hoje o Decreto de 1821 pode ser visto como uma das primeiras declarações de garantias judiciais do que se tornaria o processo penal brasileiro.

Lamentavelmente, quase dois séculos depois ainda estamos às voltas com temas que pareciam superados, especialmente as tensões nucleares do sistema acusatório, que exige a rígida separação das missões de investigar/acusar e julgar.

Em 14 de março de 2019, o STF resolveu instaurar um inquérito secreto sem objeto determinado sobre pessoas que não se sabem quem são e para investigar não se sabe o quê.


REPORT THIS AD

Tal investigação criminal tomou o número 4781 e vem sendo conduzida no próprio STF por um de seus eminentes ministros, com o auxílio de um delegado da Polícia Federal e de um delegado de Polícia de São Paulo.

Como ordinariamente se via no Império do Brazile ao longo da Velha República, a Polícia ainda hoje tem servido de longa manusdos juízes para a manutenção de mecanismos inquisitivos em meio ao modelo acusatório. As representações policiais seguem rotineiras e o intenso envolvimento de juízes na etapa investigatória dá intrigante sobrevida à legislação processual imperial de 1832 na qual os juízes de Direito eram os chefes de Polícia.

Quase um procedimento kafkiano, como bem apontou Livia Tinoco em recente artigo, o inquérito 4781 tem inúmeros problemas. Tramitando sem qualquer intervenção do Ministério Público, nele já foram executadas buscas e apreensões, embora em foro processual impróprio. Não será de se admirar se houver quebras de sigilo ou medidas mais intrusivas de persecução penal contra Fulano ou Beltrano.


REPORT THIS AD

A apuração revela sua inconstitucionalidade em várias dimensões, primeiramente porque ofende o sistema acusatório (separação de funções) e o princípio da inércia do Judiciário (ne procedat iudex ex officio) e as regas de competência sobre o juiz natural. Depois porque viola o próprioRegimento Interno do Tribunal Supremo.

Evidentemente todas as infrações penais contra os membros da Corte Suprema merecem apuração, mas isto se deve fazer mediante o devido processo legal, na instância adequada e por meio de procedimento próprio presidido pela autoridade correta: em regra a Polícia Federal, com base no CPP. Ou o MPF mediante um procedimento investigatório criminal (PIC) com base na Resolução CNMP 181/2017.

Juízes do Supremo Tribunal podem muito mas não podem tudo. O limite de suas competências está na Constituição, nos tratados e nas leis. E inequivocamente este conjunto normativo não favorece a tramitação do inquérito em questão.

Como se não bastasse sua flagrante incompatibilidade vertical com a Constituição e com garantias previstas na Convenção Americana de Direitos Humanos, a investigação também descumpre um importante ato infralegal, a Resolução 564/2015 do próprio STF. Seu art. 2º dispõe que, quando a infração penal não for cometida nas dependências do tribunal, o presidente da Corte poderá requisitar a instauração de inquérito à autoridade competente. Pode ordenar a abertura da investigação, o que é muito diferente de conduzi-la.

Embora indiretamente, tal resolução da Suprema Corte corrigiu a inconstitucionalidade do art. 43 do Regimento Interno do STF que parece autorizar investigações de quaisquer fatos ilícitos, ainda que não cometidos nas dependências do Tribunal.

A mera instauração ex officiodesse inquérito ofende a principiologia abraçada pelo STF na ADI 1570/DF, julgada em fevereiro de 2004. Naquela ocasião, aderindo ao texto da Constituição de 1988, a Corte declarou a inconstitucionalidade da figura do juiz investigador (inquisidor), então previsto no art. 3º da Lei 9.034/1995, a antiga Lei do Crime Organizado (LCO). Foi relator o min. Maurício Corrêa.


REPORT THIS AD

Há mais de 15 anos, na referida ADI 1570, o STF concluiu que a realização de busca e apreensão de documentos pessoalmente por um magistrado, tal como autorizava a lei, comprometeria o princípio da imparcialidade e consequentemente violaria o devido processo legal.

Para o STF as funções de investigador e inquisidor são atribuições do Ministério Público e das Polícias Federal e Civil (CF, art. 129, I e VIII e §2º; e 144, §1º, I e IV, e §4º). Em 2004, a Corte foi categórica: “A realização de inquérito é função que a Constituição reserva à polícia.”

Para melhor contextualização, veja-se até o art. 3º da antiga LCO (1995) determinava: “Nas hipóteses do inciso III do art. 2º desta lei, ocorrendo possibilidade de violação de sigilo preservado pela Constituição ou por lei, a diligência será realizada pessoalmente pelo juiz, adotado o mais rigoroso segredo de justiça”. O envolvimento do juiz em atos de investigação e a imposição de sigilo são traços do modelo inquisitorial abandonado em 1988.

Não podemos perder de vista quão importante é a Suprema Corte para a democracia e para a estabilidade do Estado de Direito. Críticas ao tribunal são compatíveis com as liberdades públicas, mas ameaças e ofensas vis são intoleráveis e devem ser punidas. Por outro lado, todos esperamos que o STF continue a cumprir seu papel de farol da justiça brasileira e que jamais regrida para agir a modo de órgãos como o Tribunal de Segurança Nacional (TSN), no qual as garantias do devido processo não existiam.

Na vigência da Lei 244/1936, que criou o TSN (1936-1945), admitiam-se processos sigilosos, a atuação judicial ex officio e a presunção de culpa. O julgamento era secreto (art. 12, §5º, do Decreto-lei 88/1937), e a decisão judicial – em regra sigilosa – poderia ser pronunciada em público, “se não houvesse inconveniente para os interesses da Justiça”.

No §5º do art. 20 do Decreto-lei 88/1937, estava a presunção de culpabilidade: “Presume-se provada a acusação, cabendo ao réu prova em contrário, sempre que tenha sido preso com arma na mão, por ocasião de insurreição armada, ou encontrado com instrumento ou documento do crime”.

O art. 9º do Decreto-lei 428/1938 completava o espetáculo de um processo penal totalitário ao determinar que se considerava “provado o que ficou apurado no inquérito”, desde que não fosse elidido por prova em contrário.

Ao lembrar tempos idos não pretendo comparar o STF ao TSN. Vivemos num Estado de Direito, e, desde 1988, a Corte tem cumprido a função de reconhecer direitos e promover a cidadania. Nesses trinta anos, seu saldo é positivo, não se pode negar.

Por isto mesmo, não podemos nos privar de dizer que o inquérito 4781 é ilegal. E numa democracia cabe aos próprios tribunais corrigirem os erros dos seus juízes. 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Um diálogo com 12 homens
Blog do Vlad

Um diálogo com 12 homens

No júri brasileiro, os sete jurados não dialogam. Lumet teria de filmar o seu debate noutro lugar.

Blog do Vlad

A pax narcotica

'Favela com PCC tem menos crimes violentos', diz a manchete do jornal, refletindo o resultado de um estudo fei...

O caso de Mariana depois de Brumadinho
Blog do Vlad

O caso de Mariana depois de Brumadinho

Após o rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana, o MPF que atua perante a Vara Federal de Ponte Nova/MG ...

Vídeo

Bolsonaro diz que bloqueia verba da educação porque precisa e chama manifestantes de idiotas úteis Veja mais Vídeos ›

Podcast

Defensoria Pública discute orçamento participativo com a sociedade civil
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram