Política

Vilas-Boas: ‘Feira de Santana é exemplo de erro: abriu comércio, taxa começou a subir’

“Neste momento, em hipótese alguma. Estamos enfrentando uma rampa de aceleração na Bahia. Se nós não conseguirmos, neste momento, conter, a gente perde o controle”, disse.

15/05/2020 18h41, Por Brenda Filho

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

O secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, em entrevista coletiva realizada em Ipiaú nesta sexta-feira (15), criticou a prefeitura de Feira de Santana pela decisão de reabrir o comércio, que teria gerado um crescimento na taxa de contaminação pelo novo coronavírus no município. Perguntado o que pensava da possibilidade de flexibilização do comércio em Ipiaú, adotando medidas de distanciamento e higiene, o secretário foi direto ao rejeitar. “Neste momento, em hipótese alguma. Estamos enfrentando uma rampa de aceleração na Bahia. Se nós não conseguirmos, neste momento, conter, a gente perde o controle”, disse. “Nós estávamos com taxas médias de crescimento em decréscimo ao longo das semanas. Estamos dificuldade de baixar de 6%. Precisamos chegar a 5%. Tiramos de 40%, mas estamos em um platô e não conseguimos baixar disso. Para que a gente baixe de 6%, é preciso que baixemos municípios que estão com 7%, 10%, 20% de crescimento, como foi aqui, como está sendo em Jequié, Itabuna, Salvador e agora Feira de Santana, que fez isso (reabriu o comércio)”, comentou Vilas-Boas. “Feira de Santana é um exemplo de erro. Feira abriu o comércio, a taxa começou a subir. Jequié foi a mesma coisa: abriu o comércio, a taxa começou a subir. A gente tem que puxar a rédea, trazer o número para o controle, para que ele não continue contaminando a taxa média de crescimento do estado”, criticou o titular da pasta de Saúde na Bahia. Vilas-Boas não descartou ainda a possibilidade de “lockdown” nos municípios em que a taxa de crescimento da doença não cai. “A última estratégia que tem é confinar as pessoas em casa, colocar as polícias na rua e quem sair vai preso. Assim foi feito na Espanha e, mais tardiamente, na Itália. Mas eu tenho convicção de que aqui na Bahia a gente não vai precisar chegar nesse nível, porque começamos a agir bem precocemente e existe um alinhamento, independente de partido, entre as gestões municipais e o governo do estado”, avaliou. “Eu prefiro salvar 50 mil vidas que 5 mil empregos. É esse o compromisso que o gestor deve ter”, finalizou o secretário. A prefeitura de Feira Santana decidiu flexibilizar o fechamento do comércio no dia 21 de abril, permitindo a reabertura de lojas de até 200 m². De lá para cá, o município saiu de 64 para 159 casos confirmados da Covid-19, com um óbito, conforme dados divulgados pela própria gestão municipal nesta quinta (14). As informações são do Bahia Notícias.

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade