Política

Vereadora avalia ano de 2021 da Câmara Municipal e diz que Casa tornou-se ‘independente’

Para a vereadora, o termo 'puxadinho', já não existe mais na Câmara Municipal.

15/12/2021 16h30, Por Maylla Nunes

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Atual presidente da Comissão em Constituição da Justiça da Câmara de Vereadores, a vereadora Eremita Mota (PSDB), informou em entrevista ao Acorda Cidade, que as atividades exercidas durante o ano de 2021 na Casa da Cidadania, tiveram resultados positivos.

De acordo com ela, dentro de quase duas décadas como vereadora, muitas mudanças foram observadas na Casa Legislativa.

"Ao longo desses período, quase 20 anos que já estou aqui nesta Câmara Municipal, eu nunca vi uma Câmara apresentar tantas proposições. Estamos em reta final, mas ainda temos muitas coisas para serem votadas e vão ser votadas através das sessões extraordinárias. Faço um balanço muito positivo, porque foi um ano que presenciamos as mudanças, foi criada uma interdependência, o que facilitou os trabalhos, tanto da oposição, quanto de bancada. Tivemos um grande avanço, até CPIs foram realizadas, e estamos fazendo o nosso papel, inclusive, para que as pessoas tenham ideia, nós não tivemos o nosso recesso de meio de ano como sempre acontece, só temos à agradecer a Deus por mais um ano que em meio as dificuldades da pandemia, vencemos e que tenhamos forças para dobrar os trabalhos no próximo ano", relatou.

Para a vereadora, o termo 'puxadinho', já não existe mais na Câmara Municipal.

"Tivemos um presidente que deu outra conotação para a Câmara Municipal de Feira de Santana, trouxe essa verdadeira cara de uma Câmara, independente e resolvendo sem precisar estar recebendo recadinhos. Porque os vereadores aqui, para a usar a tribuna livre, recebiam recadinhos do gestor dizendo, olha, não deixa usar a tribuna, então isso, era considerado como o puxadinho, porque fazia o que a prefeitura queria. Estamos avançando, colocamos aqui a independência de poder falar, votar contrário, a favor, questionar em tudo que for preciso", concluiu. (Por Gabriel Gonçalves com informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade)

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade