Bahia

Setur dialoga com blocos afro para promoção conjunta do turismo baiano

Entre as ações propostas pelo secretário está a inserção de representantes dos blocos afro no comitê de crise que será criado pela Setur para discutir medidas emergenciais voltadas para o turismo, nesta pandemia.

28/05/2021 14h31, Por Laiane Cruz

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Acorda Cidade

Uma reunião proposta pelo secretário do Turismo do Estado, Maurício Bacelar, nesta quinta-feira (27), com os principais representantes dos blocos afro, teve por objetivo reconhecer e valorizar a importância dessas agremiações na promoção da cultura e do turismo da Bahia no Brasil e no mundo.

“Salvador é o principal portão de entrada de turistas no Estado e vocês têm uma participação definitiva nisto, gerando emprego e renda para os baianos”, afirmou Bacelar. Por isso mesmo, continuou, “quero construir, com vocês, ações de curto, médio e longo prazos. E, neste momento de pandemia, vamos sempre seguir a ciência e os protocolos sanitários, para que possamos retomar as atividades turísticas”, pontuou o gestor.

Entre as ações propostas pelo secretário está a inserção de representantes dos blocos afro no comitê de crise que será criado pela Setur para discutir medidas emergenciais voltadas para o turismo, nesta pandemia.

Para o presidente do Ilê Aiyê, Antônio Carlos Vovô, as propostas são importantes para o reconhecimento dos blocos afro como entidades que promovem a Bahia com sua música e sua cultura. “As pessoas que vêm para cá fazer turismo étnico ou assistir aos shows se hospedam em hotéis e consomem em restaurantes, contribuindo para a geração de emprego e renda”, afirmou.

Calendário

João Jorge, presidente do Olodum, propôs, entre outras ações, a efetivação de um calendário de eventos que possa manter os blocos afro em atividade não só nos períodos de verão e carnaval. “Queremos trabalhar, produzir bons vídeos, participar de eventos no São João, no Réveillon, em agosto, em novembro, pois o mundo vê a Bahia pela cultura negra, não é um país europeu”, argumentou.

Diretor do Cortejo Afro, o artista plástico Alberto Pitta, um dos criadores das roupas de estilo afro, lembrou como a estética dos blocos afro contribui para a promoção da Bahia no mundo. Citou o exemplo da empresa de roupas Farm, para a qual ele criou peças com as cores do Olodum e do Ilê, para distribuição no Brasil e no exterior. “São as cores da Bahia no mundo”, disse.

Para Gilsoney de Oliveira, presidente do afoxé Filhos de Gandhy, a reunião deu às entidades afro “esperança na busca de caminhos para sustentá-las, pois são verdadeiros patrimônios imateriais”. O presidente do bloco Malê Debalê, Cláudio Araújo, destacou a importância do diálogo com o secretário, “sobretudo sob a perspectiva do turismo, nesta terra em que os visitantes buscam os nossos tambores, pois Salvador ganhou o título de cidade da música e isto passa por nós”. Os representantes dos blocos também acrescentaram que esta é a primeira vez que um secretário os convoca para uma reunião na perspectiva de uma construção conjunta voltada para o fomento do turismo no Estado.

Participaram também da reunião a coordenadora de Eventos do Olodum, Rita Castro, o presidente do Muzenza, Jorge Santos, e o presidente do bloco Os Negões, Paulo Roberto. Da Setur, participaram ainda os assessores Magno Lavigne e Fernando Ferrero.

Fonte: Ascom/ Setur

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade