Saúde

Por falta de anestesista, garoto de 13 anos aguarda por cirurgia no HEC há 10 dias

Pedro já foi internado na unidade por conta do problema de saúde e necessita realizar a cirurgia com urgência.

13/07/2022 às 18h24, Por Laiane Cruz

Compartilhe essa notícia

Foto: Arquivo Pessoal

Atualizada às 19h07

Com dores abdominais, o adolescente Pedro Soares Bonfim, 13 anos, está desde o dia 4 de julho deste ano aguardando por uma cirurgia para retirada de pedra na vesícula, no Hospital Estadual da Criança (HEC), em Feira de Santana.

De acordo com a mãe do garoto, Faina Nascimento Soares, Pedro já foi internado na unidade por conta do problema de saúde e necessita realizar a cirurgia com urgência, porém segundo o médico que o atendeu, o hospital está sem médico anestesista, e por esse motivo não pôde marcar o procedimento.

“Pedro vem apresentando dores abdominais há uns 4 ou 5 meses e tenho levado ele para o Hospital Estadual da Criança. Na primeira vez que ele foi atendido lá, a médica falou que ele tinha gases e mandou para casa. Então eu fiz por conta própria na rede particular um ultrassom e o levei em um pediatra, que diagnosticou pedra na vesícula. Essa dor só vem aumentando e então o levei com fortes dores para o HEC no dia 10 de junho, onde tomou toda a medicação. O médico deu um relatório e orientou o retorno para a parte ambulatorial, para saber o dia da cirurgia. Esse retorno foi marcado para o dia 4 de julho, ao meio-dia, com a equipe cirúrgica do hospital. Neste dia, foi me passado que não tinha como agendar uma data, pois estava sem anestesista, e o profissional da área que tinha era para casos de maior complexidade”, relatou.

A mãe de Pedro informou que, por conta das dores e o desconforto, o filho está sem poder ir à escola.

“Ele está sem ir para a escola, porque sente dores, fica enjoado quando come alguma coisa, a barriga dói e nisso ele continua fazendo a dieta prescrita pelo médico. Peço encarecidamente um posicionamento do hospital, porque eles me pediram para aguardar. No dia da consulta, no dia 4, o médico informou que iriam colocar o nome dele na lista de prioridade, porque já tinha ficado internado, já tinha ido lá outras vezes e quando tivesse anestesista disponível, que o hospital iria entrar contato comigo, só que isso já faz um tempo e eles não dão notícias.

Faina Soares reclamou também que o telefone fornecido pelo hospital para contato ninguém atende. “O telefone que eles me deram cai em uma caixa musical e ninguém atende. Eu não tenho mais condições de voltar lá porque não foi agendada uma nova consulta e o médico disse para eu retornar só se Pedro sentisse dores fortes, para ele dar entrada na emergência e se isso não acontecesse era para eu ficar no aguardo esperando o hospital entrar em contato comigo”, lamentou a mãe.”

Ao Acorda Cidade o Hospital Estadual da Criança, enviou a seguinte nota:

O Hospital Estadual da Criança (HEC) informa que conta com equipe médica completa. O caso será acompanhado e as devidas providências serão adotadas.

O Acorda Cidade entrou em contato também com a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e aguarda o retorno.

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Sinceramente tem coisas que não dá pr entender por mais que se tente… Gente? Até onde se vai o descaso em especial com um adolescente de 13 anos???

  2. Estive nesse hospital em Maio com meu sobrinho e fui tratada super mal por um rpz que se diz enfermeiro onde o mesmo negou atendimento a uma criança de apenas 4 anos que estava com febre e garganta inflamada e o mesmo disse que o hospital só atendia se fosse alta complexidade. Parece brincadeira mas foi a verdade.

  3. – Na ultima vez em que estive no HEC meu filho estava sentindo dores no ouvido e saindo uma secreção amarela … passamos pela triagem e fui informada que não era grave, nem sequer passamos por um pediatra, nem sequer passou um medicamento, ISSO EM UM HOSPITAL ESPECIALIZADO EM ATENDIMENTO PARA CRIANÇAS … só estava atendendo casos graves, ou seja, então só iria atender se a criança estiver morrendo?
    O descaso tem sido grande, e se ficarmos calados vai piorar.
    Espero que isso mude, que não seja necessário a criança chegar lá morrendo pra ser atendida.
    Tudo que não é considerado GRAVE ao ver dos médicos do HEC é direcionado pra UPA do Cleriston, isso é um absurdo ( pois o HEC é especializado em atendimento para CRIANÇAS. Quando os pais chegam, e fazem barraco cobrando por algo que se é de direito, acham ruim!!!

  4. Boa tarde, gostaria de saber, se pagando particular o anestesista, eles fazermos a cirurgia do garoto, e qual o valor do anestesista?

  5. Tem que vê esse pessoal da triagem do HEC mandam muitas crianças embora da triagem por não saberem se quer reconhecer uma paciente grave. Meu sobrinho foi lá com pneumonia bacteriana. Eles liberam dizendo que era tranquilo. Dezenove mil o leuco.

Mais Notícias

image

Rádio acorda cidade