Câncer colorretal

Obesidade e consumo excessivo de álcool estão entre os fatores que aumentam incidência da doença em jovens

Apesar do surgimento das lesões intestinais ser mais comum após os 50 anos, pesquisas alertam sobre fatores de risco que tem causado a neoplasia precocemente.

11/09/2023 às 16h03, Por Acorda Cidade

Compartilhe essa notícia

Foto: Freepik

Um estudo recentemente publicado pela American Cancer Society (ACS), mostrou que até o final de 2023 cerca de 153 mil pessoas serão diagnosticadas com câncer colorretal nos Estados Unidos. No Brasil, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o cenário também é de alerta: são esperados 45.630 novos casos anuais (entre 2023 e 2025) da doença no país. Na Bahia, o Instituto estima 1.940 novos casos da doença a cada ano do mesmo triênio.

Nos mais jovens, os riscos de desenvolvimento da doença também são um ponto de atenção. Dados da ACS mostram que 13% dos pacientes com a neoplasia possuem menos de 50 anos, representando um aumento de 9% desde 2020. Vale lembrar que as chances do surgimento de pólipos (lesões benignas que crescem na parede interna do intestino) são maiores após essa faixa etária.

Dentre os fatores que colaboram para o surgimento do câncer colorretal nos mais jovens, um estudo de 2022, publicado na Gastroenterology Journal, também apontou os principais riscos: o aumento da taxa de obesidade em crianças e adultos, principalmente entre 20 e 30 anos, podendo dobrar as chances do câncer colorretal de início precoce, e o consumo excessivo de álcool – que tem aumentado principalmente entre adultos com 30 anos ou menos.

“O câncer de intestino é um tumor associado ao estilo de vida. O consumo excessivo de alimentos ultraprocessados e de carnes vermelhas, e o aumento da incidência de sobrepeso e obesidade na população jovem são os principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença entre pessoas com menos de 50 anos”, esclarece o oncologista Eduardo Moraes, do NOB – Oncoclínicas.

A pesquisa ainda indica que não é possível afirmar se ter nascido por cesariana, uso de antibióticos e certas exposições ambientais podem estar relacionadas ao risco de desenvolver câncer colorretal precocemente. Além disso, apesar da associação do consumo de bebidas açucaradas à doença, são necessários mais estudos que possam comprovar alterações.

A seguir, a oncologista Renata D’Alpino, co-líder da especialidade de tumores gastrointestinais do Grupo Oncoclínicas, explica as principais informações sobre o câncer colorretal.

O que é?

O câncer colorretal se desenvolve no intestino grosso: no cólon ou em sua porção final, o reto. O principal tipo de tumor colorretal é o adenocarcinoma e, em 90% dos casos, ele se origina a partir de pólipos na região que, se não identificados e tratados, podem sofrer alterações ao longo dos anos, podendo se tornar o câncer.

O câncer colorretal está em segundo lugar no ranking dos tumores malignos mais frequentes, além de ser o que mais mata no Brasil, tanto para os homens, quanto para as mulheres. No mundo, o tumor de cólon representa 10% de todos os tipos de câncer, com 1,9 milhão de novos casos anuais e 935 mil mortes, segundo o levantamento Globocan, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Quais os sintomas?

“Muitas vezes, o tumor só é descoberto tardiamente, diante de sintomas mais severos, como anemia; constipação ou diarreia sem causas aparentes; fraqueza; gases e cólicas abdominais; e emagrecimento. Apesar do sangue nas fezes ser um indício inicial de que algo não vai bem na saúde, muitas pessoas costumam creditar essa ocorrência a outras causas convencionais, como hemorróidas, e acabam postergando a busca por aconselhamento médico e a realização de exames específicos. Isso faz com que muitas pessoas só descubram o câncer em estágios avançados”, explica Renata D’Alpino.

“Grande parte dos tumores de intestino aparecem a partir dos chamados pólipos, mas que se não identificadas preventivamente podem evoluir e se tornarem malignas com o passar do tempo. Após os 50 anos de idade, a chance de apresentar pólipos aumenta, ficando entre 18% e 36%, o que consequentemente representa um aumento no risco de tumores malignos decorrentes da condição a partir dessa fase da vida e, por isso, ela foi estabelecida como critério para início do rastreio ativo”, complementa a médica.

Tem como prevenir?

Muitos tabus ainda cercam o rastreio preventivo do câncer colorretal, o que contribui para a baixa adesão ao controle precoce da doença, mesmo entre pessoas que fazem parte do grupo com risco aumentado.

A principal forma de diagnóstico e prevenção é através do exame de colonoscopia, em que um tubinho flexível com uma câmera na ponta é introduzido no intestino e faz imagens que revelam se há presença de possíveis alterações, permitindo, inclusive, remoção de pólipos e biópsias de lesões suspeitas. “Esse procedimento é capaz de identificar problemas mais graves e silenciosos, como o caso do câncer, além da doença de Crohn e retocolite ulcerativa. Por isso, é fundamental que informações de qualidade sejam transmitidas à sociedade com o objetivo de conscientizar sobre a importância da colonoscopia e, principalmente, alertar que o exame pode salvar vidas”, comenta Renata D’Alpino.

No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda iniciar o rastreio do câncer de cólon e reto da população adulta de risco habitual na faixa etária de 50 anos – mas muitos países já reduziram para 45 anos de idade.

Uma forma possível de também ampliar as chances de prevenção seria a indicação de pesquisa das fezes, por meio de testes imunoquímicos e testes de sangue oculto fecais em pessoas mais jovens e que não apresentam mudanças de saúde perceptíveis. De acordo com os resultados, havendo achados suspeitos, a colonoscopia seria então realizada.

Quais são os tratamentos?

Felizmente, o câncer colorretal possui altas chances de cura na grande maioria dos casos. No entanto, é muito importante que a doença seja diagnosticada o quanto antes através dos exames de rotina, aumentando o sucesso do tratamento.

Esse tipo de tumor pode ser evitado ainda na fase pré-cancerosa, ou seja, através da retirada dos pólipos intestinais por colonoscopia. Com o procedimento, é possível fazer com que o aparecimento do câncer não aconteça.

Quando o câncer colorretal é diagnosticado de fato, existem dois tipos de tratamentos que podem ser realizados. São eles:

Tratamentos locais (cirurgia, radioterapia, embolização e ablação): agem diretamente no tumor primário ou em metástases isoladas, sem afetar o restante do corpo. Portanto, podem ser indicados tanto nos casos iniciais quanto nas fases mais avançadas da doença.

Tratamentos sistêmicos (quimioterapia, imunoterapia ou terapias-alvo): Podem ser realizados por drogas orais (comprimidos) ou endovenosas (na veia), aplicando diretamente na corrente sanguínea. Também podem ser indicados tanto nos casos precoces quanto avançados da doença.

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

image

Rádio acorda cidade