Bahia

Centro de Referência de Anemia Falciforme amplia e diversifica assistência a pacientes de toda a Bahia

O Centro, o primeiro sob a gestão pública no país, está sob responsabilidade da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado da Bahia (Hemoba).

04/05/2023 às 15h02, Por Acorda Cidade

Compartilhe essa notícia

Centro de Referência
Foto: Matheus Lantim/GovBa

Semanalmente, Marineide leva o filho Miguel Júnior, de 21 anos, ao Centro Estadual de Referência às Pessoas com Anemia Falciforme Rilza Valentim, no bairro do Garcia, em Salvador, para realizar curativos, transfusões de sangue ou consultas médicas, como fez na tarde desta quarta-feira (3). A doença genética foi diagnosticada no teste do pezinho, logo após o nascimento e, há 15 anos, eles seguem uma rotina de tratamento, que agora acontece em novo endereço, desde o dia 13 de março, quando o prédio foi inaugurado pelo Governo do Estado. O Centro, o primeiro sob a gestão pública no país, está sob responsabilidade da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado da Bahia (Hemoba).

“Esta mudança está fazendo toda diferença. Eu já pensava que deveria ter um centro para o portador de anemia falciforme, com um olhar diferenciado para os pacientes, porque é uma doença de origem negra, e o negro não tem tanta visibilidade, principalmente se tratando de saúde”, declarou Marineide. A mãe do paciente considerou um avanço as mudanças na estrutura e ampliação do atendimento. “São algumas pequenas coisas que as pessoas podem pensar que não faz diferença, mas faz”, concluiu.

Centro de Referência
Foto: Matheus Lantim/GovBa

Quem também aprovou a nova estrutura foi Miguel. Os cuidados constantes e a convivência com médicos, enfermeiros e outros profissionais o estimularam a seguir carreira na área de saúde. O jovem está terminando o curso de Farmácia. “Vai, sim, ajudar muito, pelo conhecimento medicamentoso que eu estou adquirindo”, acredita o universitário, que faz curativos semanais, transfusão de sangue uma vez por mês e consultas a cada 120 dias.

Robert Pereira sai do município de Monte Santo, no nordeste baiano, todo mês, para pegar medicações na farmácia do local, que também dispensa remédios para outras doenças hematológicas benignas hereditárias, como a hemofilia, que provoca dificuldades na coagulação do sangue. “Ficou muito melhor, porque o lugar é mais perto de onde eu fico em Salvador e o atendimento está mais rápido também”, avaliou.

Estrutura completa

Além dos consultórios, farmácia, sala de transfusão, agência transfusional, o espaço também conta com sala de fisioterapia e até brinquedoteca para as crianças em tratamento. Ao todo, são cerca de seis mil pacientes cadastrados, que tiveram o atendimento ampliado em 25% da capacidade, com a inclusão de outras especialidades em saúde. O atendimento no centro é totalmente gratuito e para pacientes de todo o estado.  

A doença falciforme se apresenta, principalmente, com sintomas como anemia crônica e dor severa, que decorre da má circulação sanguínea, sendo, ainda, das condições genéticas e hereditárias mais comuns no mundo. A Bahia tem grande incidência da doença, considerando que mais de 76% da sua população é composta por negros. O estado é seguido pelo Rio de Janeiro em número de casos. 

Atendimento Multidisciplinar

De acordo com a médica hematologista, Jamile Nicanor, integrante da equipe formada por 141 profissionais, o centro ampliou o atendimento que a Hemoba já fazia aos pacientes com anemia falciforme em 25% da capacidade. “A gente já tinha hematologista e ampliou o número de especialistas na área, além de atendimento com psicólogo, nutricionista, dentista, fisioterapia, e agora nós estamos com outras especialidades médicas como ortopedia, neurologia e cardiologia”, explicou a profissional. 

O Centro Rilza Valentin funciona das 7h às 19h, com assistência multidisciplinar aos pacientes. Para ser atendido, é necessário passar pela triagem hematológica, para uma avaliação específica. Após isso, o paciente solicita atendimento, a partir do envio de um e-mail para [email protected]. Para os pacientes que já são acompanhados pelo serviço, as consultas podem ser agendadas pelos telefones (71) 3116-5675 ou 3116-5676, das 8h às 19h, de segunda a sexta-feira, ou por e-mail, no endereço [email protected].

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Mais uma vez o Hemo e o governo do Estado mentindo o o centro é apenas um puxadinho do hemoba e não supre a necessidade das pessoas que estão no interior da Bahia no interior da Bahia e eles dizem que super temos vários pacientes sem conseguir consulta no novo Centro que o hemoba não tem capacidade de gerir o atendimento dessas pessoas que estão no interior então é mais uma propaganda mentirosa do governo do Estado junto com o hemoba porque existe tanta demanda de marcação pacientes ligando para agendar consulta e não consegue pacientes que tem mais de dois anos sem fazer o acompanhamento porque um hemoba não é capaz de suprir a necessidade dessas pessoas que estão no interior da Bahia tanto com atendimento multidisciplinar quanto na questão funcionária então é apenas mais uma propaganda enganosa governador Jerônimo secretária de saúde Roberta senta com controle social pede dialogar porque as pessoas com doença falciforme do interior da Bahia estão sofrendo por falta de assistência do Estado por falta de assistência do novo centro de referência que só tem falácia mas resolução não tem as associações do interior a frente falciforme porque vocês não querem dialogar com a gente pessoas com doença falciforme trata as pessoas com com nomes pejorativos nem falar o nome certo sabe não são portadores são pessoas com doença falciforme portadores é um nome pejorativo e nós pessoas com doença falciforme não aceitamos um estado que tem a maior incidência das pessoas com doença falciforme ainda existe o racismo estrutural no tratamento e na fala das pessoas com doença falciforme de Feira de Santana com Associação de Ilhéus com a frente e falciforme com a associação do oeste da Bahia vamos buscar o melhor mas vocês não quer agora vem botando propaganda enganosa #puxadinhodohemobanao

  2. Ingerência, descaso, falta de empatia, esses adjetivos o hemoba carrega com competência.
    A demora em marcar consulta no hemoba é fora do normal. Centro de Referência no tratamento da Doença Falciforme a Doença Falciforme, porém a mesma ingerência do hemoba ou seja existe apenas um nome mas a ingerência é a mesma. Somos do interior so Deus sabe o que passamos para marcar uma consulta. Enfrenta 12 hras em um ônibus para fazer uma triagem, retorna pra cidade no nosso caso Porto Seguro, pra aguardar a consulta com especialista. “Como o hemoba é otimo gestor”.

Mais Notícias

image

Rádio acorda cidade