Brasil

Safernet aponta que discurso de ódio cresceu nas duas últimas eleições

Em 2020, racismo e xenofobia registraram mais do que o dobro de denúncias em relação à 2019.

05/05/2022 07h54, Por Rachel Pinto

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Acorda Cidade
 

Dos sete crimes que envolvem discurso de ódio denunciados à Central Nacional de Denúncias da Safernet, seis tiveram mais denúncias nos anos de eleições que em anos anteriores

Os indicadores do hotline da Safernet, que recebe denúncias de 10 crimes contra os direitos humanos praticados com o uso da internet, mostram que houve mais denúncias de racismo, lgbtfobia, xenofobia, neonazismo, misoginia e apologia a crimes contra a vida em 2020 e em 2018 em relação aos anos que antecederam as últimas eleições municipais e presidenciais.

A central da Safernet recebe denúncias de sete tipos de crimes que envolvem discurso de ódio, destes apenas intolerância religiosa não seguiu esse padrão nas duas últimas eleições.

Educação contra a barbárie

Para a Safernet, a repressão penal aos crimes de ódio não pode vir desacompanhada de ações educacionais que promovam a diversidade.

"O discurso de ódio nas redes é usado como uma plataforma política para engajar a audiência, dar notoriedade ao emissor e assim trazer mais votos, por isso a abordagem do tema precisa ser estratégica. Acreditamos que a educação para qualificar o debate e o incentivo de conteúdos que promovam diálogo são caminhos para se alcançar um ambiente em que se conquiste votos por meio de ideias, não no grito", afirma a psicóloga Juliana Cunha, diretora de projetos especiais da Safernet.

No próximo dia 12 a Safernet lançará a segunda edição do SaferLab, um laboratório de ideias que apoia o protagonismo jovem na criação de conteúdos sobre direitos humanos para tornar a internet um lugar melhor – com mais diálogo e respeito à diversidade. Serão 10 jovens criadores das cinco regiões do país que contarão com mentorias, workshops e bolsas para criar contranarrativas ao discurso de ódio.

O lançamento do SaferLab será marcado por uma live, que será transmitida a partir das 18h, no YouTube da Safernet , que reunirá ativistas, pesquisadores e autoridades que estão na linha de frente do combate ao discurso de ódio e à intolerância.

Participarão da live a professora Lola Aronovich, da Universidade Federal do Ceará, Marcelle Decothé, do Instituto Marielle Franco, a Procuradora Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, Neide Cardoso, e Juliano Cappi, doutor pela PUC-SP, com pesquisa sobre o discurso de ódio. Os quatro discutirão como esse tipo de narrativa tem crescido no Brasil desde 2018 e como esse tipo de mensagens afeta as pessoas na época de eleições.

Crescimento do discurso de ódio nas eleições

Para a Safernet os indicadores da Central de Denúncias apontam que as eleições tornaram-se, nos últimos anos, um campo fértil para o discurso de ódio, que desde 2018 têm registrado aumento no período eleitoral.

Em 2020, racismo e xenofobia registraram mais do que o dobro de denúncias em relação à 2019. Já as denúncias de neonazismo tiveram um crescimento de 840,7% em 2020 em relação ao ano anterior.

Em 2018, misoginia, xenofobia e neonazismo tiveram os maiores percentuais de crescimento.

Sobre o SaferLab

O SaferLab é um laboratório de ideias que apoia o protagonismo jovem na criação de formatos de contranarrativas para o combate ao discurso de ódio e a discriminação na Internet nas eleições, baseado nos princípios universais dos Direitos Humanos.

Contranarrativas são histórias que se opõem ou desmontam um senso predominante. No caso, o discurso de ódio. São maneiras de se opor e desconstruir narrativas comuns de discriminação e intolerância, mas vão além e têm uma abordagem propositiva, propondo o diálogo, a igualdade, o respeito às diferenças e a liberdade. Isso pode ser feito com fatos, dados, humor, sensibilidade, humanidade e outras atitudes que promovam experimentar diferentes pontos de vista. Provocar empatia pelos grupos discriminados é um dos objetivos.

A primeira edição do projeto foi realizada em 2018 e alcançou 33 milhões de pessoas pelas redes sociais. Em 2022, o projeto tem a participação de 10 jovens criadores de conteúdo selecionados nas cinco regiões do país (4 do Nordeste, 2 do Norte, 2 do Sudeste, 1 do Sul e 1 do Centro-Oeste). Todos eles já passaram por alguns dos programas de educação da SaferNet Brasil. Nesta segunda edição, o SaferLab tem como propósito engajar criadores, educadores, promover conversas e debates com a sociedade civil e outras partes interessadas no combate ao discurso de ódio na internet.

A maioria dos jovens criadores, cujas idades variam entre 22 e 29 anos, são de grupos que costumam ser alvo de discurso de ódio e postarão conteúdos com contranarrativas para inspirar, empoderar e apoiar o protagonismo de outros adolescentes e jovens na tarefa de combater a discriminação em função de gênero, etnia e/ou orientação sexual, em especial no período eleitoral.

Em 2022, o SaferLab conta com apoio da Google.org, uma fundação mantida pela Google que apoia projetos de impacto para ajudar a resolver desafios enfrentados pela humanidade.  

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade