Política

PT não precisava de autorização de Rui para lançar nome de Zé Neto, afirma presidente do partido em Feira

“O Partido dos Trabalhadores não precisa pedir autorização. Se tivesse tido oportunidade, se ele estivesse em alguma reunião, a gente informaria a ele e ouviria a opinião, mas não é necessário e ele sabe disso”, afirmou.

16/04/2019 11h49, Por Brenda Filho

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

O Partido dos Trabalhadores não precisava consultar o governador Rui Costa para lançar a pré-candidatura do deputado federal Zé Neto a prefeito de Feira de Santana. A informação foi dada pela presidente municipal da sigla, Ivanide Santa Bárbara, em entrevista ao Acorda Cidade nesta terça-feira (16). Segundo ela, o PT em Feira precisa do apoio de Rui, mas não da permissão. “O Partido dos Trabalhadores não precisa pedir autorização. Se tivesse tido oportunidade, se ele estivesse em alguma reunião, a gente informaria a ele e ouviria a opinião, mas não é necessário e ele sabe disso”, afirmou. As declarações de Ivanide se deve a repercussão do anúncio do nome de Zé Neto para disputar o Paço Municipal, feito no último sábado (13). Algumas pessoas, entre elas o governador, consideraram precipitado. De acordo com Rui, este ainda é um ano para contato com a população e conhecimento das demandas e o anúncio de candidaturas deve ficar para 2020, ano de eleição. Já Ivanide argumenta que manter o contato com o povo foi justamente uma das deliberações da plenária do partido. “Nós vamos começar a caravana do PT nos bairros e vamos levar nossa indicação de pré-candidatura que é o nosso companheiro Zé Neto. Eu não acho isso antecipado, acho importante que a comunidade feirense fique sabendo que o Partido dos Trabalhadores tem um nome que se coloca à disposição”.

Negociação com outros partidos

Ivanide ressalta também que entende o papel do governador de dialogar com outros partidos e lançar “N” nomes para a disputa, o que segundo ela não está impossibilitado pela decisão de lançar Zé Neto na frente. “Não acho uma decisão precipitada nem acho também que se diminui a possibilidade de negociação com outros partidos. Todas as pessoas devem estar ouvindo o nome de Carlos Geilson (Podemos) há muito tempo como provável candidato a prefeito. Outros nomes estão colocados como o do prefeito Colbert Martins (MDB), por que o partido dos trabalhadores tem que se furtar desse direito de participar da política?”, questionou. (Orisa Gomes)

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade