Educação

Professores fazem mobilização contra PL que em meio à pandemia institui a educação como serviço essencial

Uma das questões que vem sendo debatida em reuniões, segundo Elson Moura, é o ensino remoto.

19/05/2021 09h01, Por Laiane Cruz

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Laiane Cruz

Professores da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) paralisaram as atividades, que estão acontecendo de forma remota, nesta quarta-feira (19), para se juntarem à mobilização nacional contra o Projeto de Lei 5595 de 2020, que está sob tramitação no senado federal.

De acordo com o presidente da Associação dos Docentes da Universidade Estadual de Feira de Santana (Adufs), Elson Moura, o objetivo maior da paralisação é denunciar o projeto, que institui a educação como serviço essencial.

“Na primeira vista parece algo positivo, mas na verdade nessa conjuntura de pandemia que estamos vivendo significa o retorno às atividades sem a vacinação e as mínimas condições sanitárias. O objetivo é denunciar e pressionar senadores, que esse projeto está no senado, para que reprovem”, informou o representante sindical.

Segundo ele, aproveitando um roteiro nacional, o sindicato realizou em Feira a colocação de faixas para chamar a atenção da comunidade externa para o tema, e durante todo o dia será realizado um conjunto de atividades remotas, com a presença de sindicatos de todo o Brasil.

Foto: Ney Silva/ Acorda Cidade

“Às 11h, faremos um twittaço, que consiste em encaminhar mensagens aos senadores, principalmente os da Bahia pra que se coloquem contra o projeto de lei, explicando os motivos. E no final do dia, em Brasília, teremos projeções em prédios públicos. As quatro universidades estão paradas hoje, e além disso na reunião, tivemos a presença de 70 sessões sindicais, com paralisação aprovada. Além do projeto 5595, temos outras bandeiras contra o governo federal, que são o Fora Bolsonaro e Fora Mourão, e avançamos também para a necessária recomposição orçamentária e contra a reforma administrativa, que mais uma vez ataca servidores e os serviços essenciais à população”, destacou o professor universitário.

Atividades remotas

Outra questão que vem sendo debatida em reuniões, segundo Elson Moura, é o ensino remoto. Segundo ele, professores e estudantes vêm enfrentando dificuldades para se manter nas aulas.

“Ser contra o retorno presencial implica em necessariamente debater o ensino remoto. Na nossa última assembleia discutimos também sobre quais condições estamos realizando essas atividades, e os relatos implicam em muitos problemas. O primeiro deles é o acesso à comunicação, não só da nossa parte, mas da parte dos estudantes. Os custos com a informática e o atravessamento entre o espaço de trabalho e o espaço de casa. Estamos fazendo um levantamento sobre essas condições, para remeter à universidade quais são as condições dessas atividades remotas”, acrescentou.
 

Com informações do repórter Ney Silva do Acorda Cidade.

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade