Feira de Santana

Professores e representantes da APLB fazem nova manifestação em frente a Secretaria de Educação

A categoria cobra pelos salários de março e abril.

12/05/2022 17h31, Por Gabriel Gonçalves

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Gabriel Gonçalves

Uma nova manifestação foi realizada na manhã desta quinta-feira (12), pelos professores da rede municipal e membros do Sindicato dos Professores (APLB) em frente a Secretaria Municipal de Educação (Seduc).

Em entrevista ao Acorda Cidade, a presidente da APLB, Marlede Oliveira, explicou que ainda não houve um retorno por parte da prefeitura com relação ao pagamento dos professores referente aos meses de março e abril.

"Até o momento não resolveu nada. Nós entramos em greve para discutir uma pauta de reivindicação, como o pagamento integral dos salários, porque desde 2020 que o prefeito Colbert Martins cortou o salário dos professores durante um ano. Nós fomos para a justiça, teve decisão favorável, ele entrou com recurso e agora desde o dia 3 de fevereiro que nós temos uma decisão do Tribunal, que não é para mais para ter salário parcelado e o prefeito continua fazendo esta perversidade com a nossa categoria. Até hoje os professores não viram parte do seu salário de março, que ele iria pagar na semana passada, prometeu que pagava, pagou só uma parte e a outra não. Hoje ainda está sem pagar parte de março e parte de abril, então como é que o professor trabalha sem receber?", questionou.

Foto: Divulgação/APLB

Segundo Marlede Oliveira, muitas escolas continuam sem os devidos materiais, como as carteiras.

"O prefeito precisa explicar o que é que ele está fazendo com os recursos da educação porque isso nunca aconteceu em Feira de Santana. As escolas estão sem professores, e se os professores efetivos estão sem receber os salários, imagine os professores que são do Reda. Estamos com várias escolas sem merenda, sem carteira, a escola José Tavares por exemplo em Maria Quitéria, fomos lá tem oito dias, está faltando 140 carteiras só mandaram 44. A escola funciona três dias sim, dois dias não, e tem várias escolas que estão funcionando alternadamente por falta de professores, de carteiras, de funcionários, de merendeira, então está um caos na educação e o prefeito vai para imprensa e fica alarmando que o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é baixo em Feira, que é culpa do professor", afirmou.

Sem retorno por parte da secretaria de Educação, a presidente da APLB, informou à reportagem do Acorda Cidade, que novos atos serão realizados entre os dias 17 e 19 de maio.

"Ficamos durante a manhã inteira, a professora Anaci não apareceu para dizer que dia vai pagar o restante do salário de março e o restante do salário de abril, e a gente está na imprensa colocando nota cobrando e as pessoas estão achando que a APLB está fazendo política, porque o prefeito disse que é politicagem. Quer dizer que o professor não recebe seu salário, tem professor passando necessidade sem pagar as suas contas, trabalhando sem receber salário isso é politicagem? Ele é político, tem partido, tem tudo. A gente vai para rua na próxima semana, já temos a nossa manifestação marcada de paralisação a partir da próxima terça-feira, 17, 18 e 19 de maio", concluiu.

 

Com informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade

 

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade