Eleições

Pré-candidato à Presidência da república pelo Pros, Pablo Marçal, visita Feira de Santana

Sobre a atual gestão do presidente Jair Bolsonaro, o pré-candidato a república pelo Pros criticou a situação econômica e social do país.

17/06/2022 15h25, Por Dilton e Feito

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Foto: Ney Silva/ Acorda Cidade

Em visita a Feira de Santana nesta sexta-feira (17), o pré-candidato à presidência da república nestas eleições pelo Partido Republicano da Ordem Social (Pros), Pablo Marçal, fez críticas as bandeiras do atual presidente do país, Jair Bolsonaro como também, ao pré-candidato ao governo, Luiz Inácio Lula da Silva.

Goiano, coach e listado entre os maiores influenciadores do Brasil, por meio de workshops, palestras e livros de sua autoria, ele destacou que se candidatou ao cargo ao perceber que a população necessita de um governante que possua “coragem” para mudar o país.

“Mais de 60% da população do Brasil não quer saber de Lula ou Bolsonaro. Vi que os nomes estavam subindo e não estavam prosperando. Vejo que o Brasil necessita de gente com coragem, gente que entende de riquezas, ensino, mentalidade, virtualização e são coisas que eu domino. Vejo que o Brasil está em um período que precisa prosperar como nunca. O PT está em primeiro e se não cuidarmos em renovar o país e mudar isso, vamos continuar com os mesmos erros. Chega de Lula e Bolsonaro”.

O goiano também deu detalhes sobre seus planos no governo federal.

“A viagem começou agora, vamos em 200 cidades nas próximas semanas. Vou apresentar uma tese para transformar a nação em quatro anos. Mas, principalmente, mudança de mentalidade do povo que é para ontem. Ninguém nunca viu qualquer presidente ou candidato dizer que quer mudar a mentalidade da população, mas é importante para a política, porque se o povo prospera, o estado precisa diminuir o tamanho. Tem também a virtualização e empresarização. O Brasil não é um país empreendedor e melhorando esse quesito, tem a geração de energia a e a falta de desigualdade”, frisou.

Foto: Ney Silva/ Acorda Cidade

Sobre o lançamento da sua pré-candidatura, Pablo Marços disse que não utilizará do fundo eleitoral para o financiamento da sua campanha. Todo o custo, será oriundo de doações e seu próprio patrimônio.

“Não vou tocar em fundo eleitoral. As pessoas vão ajudar e eu vou usar dentro do meu patrimônio, dentro do limite da legislação, vou jogar dentro do jogo. Não estou preocupado é com o período de televisão, há nove anos vão vejo televisão. Estou preocupado com o povo. Se eu tiver um minuto e falar o que o Brasil vai virar, é muito mais importante para mim. Não é uma novela mexicana, não preciso de muito tempo”.

Governo Bolsonaro

Ainda sobre a atual gestão do presidente Jair Bolsonaro, o pré-candidato a república pelo Pros criticou a situação econômica e social do país.

“Avalio que com as 19 milhões de empresas que se tem no Brasil, se você perguntar a um empresário porque ele não contrata, é por falta de qualificação do profissional. Um ponto a ser mudado é o da educação. Temos um erro grande na grade curricular de ensino e é necessário transformar isso. Para tratar a fome e o desemprego é necessário aumentar a matriz energética. Precisamos de energia limpa para o país. Outra coisa necessária é a continuidade das obras que estão sem concluir, são mais de 10 mil. O PT faz isso para enrolar o povo, a transposição do Rio São Francisco mesmo até agora nunca, precisou chegar um sucessor e terminar. Eles não terminam obras”.

Com informações do repórter Ney Silva do Acorda Cidade

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

image image image image image image
Categorias Política

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  1. Crispiniano de Santana Silva disse:

    As propostas são boas no diz respeito à população do nosso país mas é preciso criar políticas de desenvolvimento sustentável nas três áreas carentes da nação que são gerações de empregos segurança pública com melhor qualidade pra servir e educação de qualidade para todas a camadas da população aí sim podemos até criar uma esperança em mudança a longo prazo e também desenvolver uma política de economia interna para o desenvolvimento do País

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade