Fim do movimento

Paralisação dos caminhoneiros é encerrada em Feira de Santana

A paralisação teve início na noite de ontem (8).

09/09/2021 09h55, Por Gabriel Gonçalves

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Gabriel Gonçalves

Depois de quase 12 horas de paralisação, os caminhoneiros que estavam estacionados na BR-116 Norte, decidiram seguir viagem após não ter uma representatividade no local.

Ao Acorda Cidade, o caminhoneiro Jorge Freitas, também informou que não há uma liderança para representar os motoristas no local e por isso, muitos se revoltaram e deram continuidade em suas viagens.

"Eu estou indo para Juazeiro e só estou aguardando a posição da empresa se eles me liberam, se retorno para empresa, porque muita gente já se revoltou aqui e furou o bloqueio. Inclusive, o pessoal aqui do posto hoje pela manhã já aumentou o preço dos combustíveis. O Diesel que era R$ 4,23, já colocaram para R$ 4,50, a mesma coisa a gasolina que estava de R$ 5,65, já foi para R$ 5,93. Infelizmente ninguém chegou aqui para dizer o motivo da paralisação, quanto tempo iríamos ficar aqui parados, então muita gente está indo embora", contou.

Foto: Paulo José

Outro caminhoneiro que também estava no movimento e não quis se identificar, informou a reportagem do Acorda Cidade que estacionou o caminhão no pátio do posto de combustível, mas destacou que não sabia o motivo da paralisação.

"Eu sou motorista de transportadora em geral. Estou indo para o município de Salgueiro e parei aqui ontem por volta de 20h30, mas eu não sei nem informar qual o motivo dessa greve e nem sei informar porque as pessoas estão desistindo da paralisação. Vou aguardar mais um pouco, mas daqui a pouco também irei seguir viagem", disse.

Retornando para Brasília, o caminhoneiro Dorivaldo Pereira de 69 anos de idade, informou ao Acorda Cidade que estava vindo de Salvador a serviço, e afirmou que é contra as paralisações que estão acontecendo no Brasil.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

"Eu trabalho com frete há cerca de 30 anos e passo em média de 20 até 30 dias fora de casa. Agora mesmo estou vindo de Salvador para Brasília e não sou a favor dessas paralisações porque só trazem desgaste para os motoristas. Se fosse para baixar o diesel, a gasolina, aumentar o frete, reduzir o preço do frete, mas são outras picuinhas que não sou a favor, quem quiser que fique a vontade", afirmou.

Ainda segundo o caminhoneiro, um frete de Brasília até Salvador, custa em média de R$ 5.500, mas cerca de R$ 3.000 é para pagar o combustível.

"Hoje uma mudança de Brasília até Salvador, a gente cobra o valor de R$ 5.500, só que apenas de combustível, a gente gasta quase R$ 3.000. Fora manutenção de veículo, o que sobra é muito pouco", pontuou.

Com informações do repórteres Paulo José e Ed Santos do Acorda Cidade

Leia também:

Caminhoneiros avaliam que está faltando união da categoria em aderir à paralisação; muitos desistiram

Caminhoneiros paralisam em Feira de Santana

Caminhoneiros iniciam mobilização na BR-116 em Feira de Santana

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade