Câmara Municipal

‘Onde ocorreu privatização, houve piora dos serviços’, declara vereador sobre possível privatização da Embasa

De acordo com o vereador, após o processo de privatização, é provável que exista 'escolhas', onde o serviço será prestado, como visão de lucro.

16/09/2021 15h19, Por Laiane Cruz

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Durante a vista ao município de Feira de Santana no dia de ontem (15), o governador Rui Costa (PT), anunciou que um grupo está analisando o mercado para verificar a possibilidade de alienar parte das ações da Embasa na Bolsa de Valores.

Na manhã desta quinta-feira (16), o vereador Jhonatas Monteiro (Psol), utilizou a tribuna livre da Câmara Municipal para declarar que onde ocorreu privatização em serviços essenciais, houve uma 'piora' dos atendimentos, como também se tornou mais caro.

"No final das contas, onde ocorreu privatização principalmente em serviços essenciais, tanto houve piora dos serviços para quem usa, como também se tornou mais caro. A água é um bem comum de todos e não deve ser privatizado, água é vida, como foi o nome de uma campanha nos anos 90 para impedir a privatização da Embasa, naquele momento com a participação ativa da igreja católica. O que o governador lamentavelmente anunciou no dia de ontem, é que existe essa perspectiva de uma parceria público-privada aqui para Feira de Santana", disse.

Ainda de acordo com o vereador, após o processo de privatização, é provável que exista 'escolhas', onde o serviço será prestado, como visão de lucro.

"Outra situação mais problemática, é a questão da universalização. Geralmente quando se privatiza um determinado serviço, a empresa que vai operar, ela opera onde dá mais lucro. Então, aquelas áreas que são consideradas áreas de baixo retorno, ficam descobertas e isso nós vemos em outros serviços que funcionam no modo privado. Um exemplo claro que podemos dar, é o serviço de transporte, onde há um grande fluxo de passageiros, terá mais ônibus naquela linha e onde não há, a população fica à míngua, e esta é a mesma lógica para a água", concluiu. (Por Gabriel Gonçalves, com informações do repórter Paulo José)

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade