Artigo

Necessidade de férias

O silêncio, seja interior ou exterior, é outro valor a ser cultivado nas férias

18/01/2022 10h39, Por Kaio Vinícius

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Estamos em período das férias. Muitos aproveitam essa época do ano para uma parada. Um tempo de descanso. As férias, além de promoverem a saúde, alegria, encontro de famílias e o bem-estar do trabalhador, proporcionam um rendimento mais eficiente em todas as atividades.

NA VIDA, corremos o risco de criar dependências. São hábitos repetidos, que acabam tornando-se muito fortes, fardos que condicionam nosso modo de ser. Algumas dependências mais comuns: a droga, o fumo, a bebida, o sexo, a internet… Existem outras formas, mais disfarçadas, mas não menos perigosas. É o caso da preguiça e da atitude contrária, isto é, o excesso de trabalho. Há pessoas viciadas em trabalhar.

O TRABALHO é uma necessidade. São Paulo dizia: “Quem não quer trabalhar, também não deve comer” (2Ts 3,10). O trabalho é um serviço que prestamos aos demais e com ele ajudamos a Deus a concluir a criação do mundo. Bem feito, torna-se oração. Quando passa dos limites, torna-se perigosa dependência que compromete a família, a saúde, os amigos e a fé. Costuma associar-se à ganância e fazer do dinheiro um ídolo.

QUEM PODE passar férias, deve fazê-lo como uma fonte de crescimento. É uma maneira de ter uma vida saudável. Nós temos uma carência natural de descanso, de lazer e de diversão, tendo em vista estarmos imersos muitas vezes numa atmosfera de fadiga constante e de preocupação diária com os afazeres. Isso é típico do nosso tempo de consumismo em que, muitas vezes, descansar pode parecer deixar de ganhar.

COMPLICA-SE, ainda mais quando a pessoa não consegue desligar-se do mundo do trabalho e das preocupações. E, atualmente, a terrível maquininha do celular alcança as pessoas em qualquer lugar mundo. E quem tem coragem de desligá-lo? Quem viveu décadas sem ele, já não vive umas férias sem que, a cada momento, ele soe rompendo o silêncio e a tranqüilidade.

DURANTE o repouso e o descanso a pessoa se encontra mais consigo mesma, com os outros, com a família, com a natureza e com Deus. O silêncio, seja interior ou exterior, é outro valor a ser cultivado nas férias. Na verdade, somente em silêncio podemos ouvir as profundezas de nossa consciência. E as férias podem ajudar nessa busca, e a redescobrir esta indispensável dimensão interior da existência humana.
 

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
[email protected]

 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade