Brasil

MP que extingue Reiq surpreende indústria petroquímica da Bahia

Regime Especial da Indústria Química (Reiq) tem como objetivo fortalecer a indústria brasileira frente à concorrência internacional, com a desoneração das alíquotas de PIS/Cofins.

07/01/2022 21h04, Por Andrea Trindade

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Acorda Cidade

Responsável por mais de 13 mil empregos no estado, a indústria petroquímica da Bahia está em alerta. O motivo é a edição da Medida Provisória nº 1095, no último dia 31 de dezembro, que, entre outras ações, revoga o Regime Especial da Indústria Química (Reiq). A medida deve entrar em vigor em quatro meses.

Em 2021, a extinção do Reiq já tinha sido discutida por conta da Medida Provisória nº 1.034. Em julho do ano passado, o Congresso Nacional votou pela redução gradual dos benefícios, escalonada ao longo de quatro anos. Em nota técnica, a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) ressalta que a reintrodução do assunto, que foi amplamente debatido, causa insegurança para investimentos e geração de empregos.

No documento, a Fieb destaca que a medida impacta na competitividade das empresas do setor e pode levar ao fechamento de plantas e de postos de trabalho na Bahia. O impacto do fechamento de plantas petroquímicas no estado é um processo em cadeia, considerando que este é o segundo maior segmento industrial da Bahia, atrás somente do refino de petróleo.

A Fieb projeta, na nota técnica, os possíveis impactos da medida na indústria baiana. Em um cenário mais agudo, com a redução de 20% da capacidade, estima-se a perda de 35 mil empregos e de R $324 milhões na arrecadação de impostos. Já em um cenário de redução de 5% na atividade, estima-se a perda de mais de 8 mil empregos e de R$81 milhões em arrecadação.

Sobre o Reiq

Criado em 2013, o Regime Especial da Indústria Química (Reiq) tem como objetivo fortalecer a indústria brasileira frente à concorrência internacional, com a desoneração das alíquotas de PIS/Cofins incidentes sobre a compra de matérias-primas básicas da primeira e segunda geração petroquímicas. Nesta lista, por exemplo, estão produtos como nafta petroquímica, etano, propano, butano, condensado de gás e benzeno.

As alíquotas do Reiq de PIS e Cofins são, atualmente, de 3,65% e deveriam ser ampliadas gradualmente até a extinção do benefício em 2025.

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade