Feira de Santana

Ministro da Infraestrutura diz que pretende cancelar contrato com a Viabahia

O empresário Miguel Pinto, que é fornecedor de algumas empresas que trabalharam na Viabahia, reclamou dos serviços prestados pela concessionária.

12/10/2020 12h35, Por Maylla Nunes

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Daniela Cardoso

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou que pretende cancelar o contrato com a concessionária Viabahia. Ele esteve em Feira de Santana nesta segunda-feira (12), em visita técnica a três rodovias federais e participou da liberação do primeiro trecho de duplicação da BR-116/BA após a retomada das obras pelo Governo Federal.

“Pretendemos cancelar o contrato, pois a insatisfação é grande e não é só dos condutores. Isso nos sensibiliza muito, a insatisfação é nossa também. É inadmissível ter um contrato de concessão onde o usuário paga tarifa e tem esse tipo de prestação de serviço. É uma coisa que ninguém suporta mais. É um contrato que deixou de ser executado”, afirmou.

Segundo o ministro, a Viabahia tem pleitos que dizem que o contrato sofreu com efeitos econômicos, com perda de volume, mas ele destacou que o contrato arrecadou 90% dos recursos previstos no plano de negócio, e, no entanto, a Viabahia executou só 30% das obras que ingressaram e não fizeram nenhuma duplicação condicionada.

“Deixaram de executar 441 quilômetros de duplicação, deixaram de realizar mais de 750 milhões de reais de investimentos. Essa situação hoje está no judiciário, a gente já está sendo bem sucedido nas primeiras ações e o ideal para eles era fazer a devolução da concessão. É um instituto previsto na legislação para que a gente pudesse licitar uma nova concessão com novos parâmetros, mas não acontecendo isso, teremos a extinção do contrato. É um processo demorado, infelizmente, temos que ter mais paciência”, disse ao Acorda Cidade, acrescentando que irá usar toda força para resgatar essa concessão e dar um serviço decente ao cidadão.

O empresário Miguel Pinto, que é fornecedor de algumas empresas que trabalharam na Viabahia, também reclamou dos serviços prestados pela concessionária e disse que em alguns momentos “houve dificuldades enormes de pagamento”.

“Existe a falta de cumprimento de um contrato, que nós todos estamos sofrendo. Essa sessão de tapa-buracos não dá em nada. As estradas estão um verdadeiro remendo. A essa altura as estradas já deveriam ter um padrão com qualidade para ter grande durabilidade e evitar os buracos. O ministro diz que já liberou milhões e milhões e parece que não chegou no essencial, que eram as pistas que deveriam ser feitas”, analisou.

O empresário observou ainda que está aumentando o número de acidentes e disse que já deveriam existir áreas duplicadas.

“Alguma coisa está faltando encaixar. Ou faz o que está no contrato e executa os serviços necessários para que a gente tenha pavimento digno, ou tem que se tomar uma decisão”, afirmou.

As informações são do repórter Ed Santos do Acorda Cidade
 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade