Feira de Santana

Mais uma modelo presta queixa de assédio contra proprietário de agência

A garota de 16 anos foi a delegacia, acompanhada da mãe, após outras jovens terem prestado queixa na última segunda-feira (6).

09/01/2020 10h48, Por Maylla Nunes

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Acorda Cidade

Mais uma adolescente foi até a Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) e prestou queixa contra o dono de uma agência de modelos em Feira de Santana, com a acusação de assédio sexual. A garota de 16 anos foi a delegacia, acompanhada da mãe, após outras jovens terem formalizado a denúncia na delegacia na última segunda-feira (6).

Em entrevista ao Acorda Cidade a jovem contou que conheceu a agência através do Instagram e que teve o cuidado de verificar as informações, inclusive, conversando com outras modelos que já trabalhavam para a agência. Ela também disse que os abusos ocorreram durante massagens feitas pelo dono da agência, mesmo elas sendo feitas na presença da mãe.

“Olhei o perfil e achei superprofissional com várias fotos de mulheres trabalhando, com isso eu me interessei. Vi que tinha divulgação em jornais. Conversei com uma das modelos e ela disse que era seguro. Depois conversei com ele no Whatsapp e ele começou a fazer perguntas, se eu era virgem, se eu tinha namorado e disse que se eu tivesse namorado, teria que terminar meu namoro, pois ele não admitia homens na agência. Com o tempo, ele começou a fazer massagens em mim, tudo acompanhado pela minha mãe. Ele passava a mão na minha virilha, mas eu achei que era normal, pois a minha mãe tava ali. Depois percebi que não estava certo, quando ele tentou me agarrar, ele segurou meus pulsos e disse que se eu contasse para alguém, eu ia me ferrar, pois ele tinha irmão policial. Fiquei com muito medo”, disse.

Além de passar a mão na virilha, o jovem relata que o dono da agência chegou a acariciar os seios dela e tentou agarrá-la durante uma sessão de fotos. Ela diz que tentou fugir e passou a evitar novos contatos, mas que não falou com ninguém, pois tinha medo que ele fizesse algo contra ela e a família.


“Uma vez fui fazer fotos de roupas íntimas perto da casa dele. A gente entrou no distrito de Maria Quitéria, ele tentou me agarrar lá na chácara. Comecei a gritar e corri para o banheiro. Eu não tinha como voltar pra casa e fiquei desesperada, então tive que subir na moto com ele e voltei pra casa. Ele chegou a acariciar meus seios e fiz de tudo pra ele parar, parei de atender, pois fiquei com muito medo de ele fazer alguma coisa com minha mãe ou comigo. Fiquei totalmente desesperada. Ele fez uma ligação pro irmão que é policial e eu fiquei com medo, pois policial anda armado”.

A mãe da jovem disse ao Acorda Cidade que em momento nenhum desconfiou da conduta do dono da agência com relação aos abusos. Segundo ela, ele fazia as massagens com um pano cobrindo a perna da jovem e então ela não percebia quando ele passava a mão na virilha da filha.

“Eu acompanhava ela sempre e não desconfiei. Eu não observava nada durante as massagens, por que ele colocava uma toalha. Ele fazia coisas que só ela sabia. Eu só vim saber disso agora. A única coisa que eu observei de estranho, foi que ele maltratava muito as modelos, gritava com elas, dizia que elas não aprendiam como era o desfile e eu não gostei disso”, afirmou.

Leia também: Modelos prestam queixa de assédio contra proprietário de agência

As informações são do repórter Ed Santos do Acorda Cidade 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade