Polícia

Jovem pataxó é morto a tiros após reclamar de som alto durante festa particular no sul da Bahia

Vitor Braz de Souza tinha 22 anos tinha e um filho recém-nascido. Organizador diz que crime não ocorreu dentro do evento.

14/03/2022 17h16, Por Rachel Pinto

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Acorda Cidade

O indígena da tribo Pataxó, Vitor Braz de Souza, 22 anos, foi morto a tiros, na madrugada desta segunda-feira (14), na localidade de Ponta Grande, em Porto Seguro, no extremo sul da Bahia.

Vitor, uma das jovens lideranças da tribo na região, foi morto após reclamar do som alto durante a realização de uma festa, que acontecia nas proximidades da praia da Ponta Grossa. De acordo com os pataxós, a área onde acontecia o evento é um território indígena ainda não homologado.

A Polícia Civil diz que o autor dos disparos foi um homem ainda não identificado. Ele teria efetuado os tiros após Vitor reclamar do volume de um som. Ainda segundo a policia, agentes seguem nas buscas para identificar e prender o autor do crime.

Segundo o G1, após ser baleado, Vitor chegou a ser encaminhado para o Hospital Luis Eduardo Magalhães, em Porto Seguro, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

O jovem era atuante no movimento Indígena, e participava de diversas mobilizações. Segundo outras lideranças pataxós, o filho de Vitor nasceu há pouco mais de 30 dias. O jovem era neto do primeiro cacique da aldeia Novos Guerreiros, e neto da pajé Japira.

A festa que resultou na morte de Vitor foi chamada de Sigilo Fest. No entanto, de acordo com informações do G1, um dos produtores do evento, se manifestou nas redes sociais sobre o ocorrido e lamentou a morte de Vitor. Segundo o promotor da festa, o crime não ocorreu dentro da área do evento, ainda assim, ele se colocou à disposição para ajudar na resolução do crime e reforçou o pedido por justiça.

"Aconteceu uma coisa bem triste no evento e quero deixar bem claro que eu e o pessoal que fizemos a festa lá estamos à disposição para descobrir quem foi que fez. O pessoal da casa não esclareceu que ali era uma área indígena, mas vieram até a a gente e acabou mais cedo, mas infelizmente acabou acontecendo algo muito difícil", disse o influenciador em uma série de stories em sua página nas redes sociais.

"Quero dizer ao pessoal indígena que contem comigo. Infelizmente essa é uma situação muito difícil para o pessoal e para gente. É uma situação irreversível. Aconteceu longe do evento, mas aconteceu e merece justiça. O evento não teve nada a ver com isso. Aconteceu próximo, mas não foi dentro do evento", completou.

 

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade