Feira de Santana

José Ronaldo fala sobre pedido de prisão preventiva e perda de mandato

José Ronaldo disse que ainda não foi citado e afirmou que não tinha como saber se o funcionário era aposentado ou não.

08/04/2014 10h46, Por Maylla Nunes

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Daniela Cardoso 
 
O prefeito José Ronaldo de Carvalho falou na manhã desta terça-feira (8) ao Programa Acorda Cidade sobre a ação, assinada pela procuradora Sara Mandra Souza e pela promotora Ana Rita Rodrigues, com reserva na prisão preventiva e perda do mandato dele.
 
A investigação é em decorrência da contratação do motorista aposentado pelo INSS por invalidez, Constatino Portugal dos Santos, que segundo o Ministério Público Estadual (MPE), nunca exerceu o cargo, mas cujos vencimentos constaram na folha de pagamento da prefeitura durante dois anos.

Leia também: Ministério Público pode pedir prisão preventiva e perda de mandato do prefeito José Ronaldo
 

José Ronaldo disse que ainda não foi citado e afirmou que não tinha como saber se o funcionário era aposentado ou não. Ele informou que a situação só foi detectada porque durante o seu governo, entre os anos de 2004 e 2006, foi instituída na prefeitura uma parceria com a Previdência Nacional, que existe até hoje.
 
O prefeito informou que procurou nos arquivos da prefeitura e encontrou documentos que comprovam que o mesmo funcionário já havia trabalhado na prefeitura de Feira de Santana durante a gestão de outros prefeitos. 
 
“Quando José Falcão foi prefeito, esse mesmo cidadão, encostado pelo INSS, foi nomeado e trabalhou no distrito de Ipuaçu como administrador, nas mesmas condições. Quando Clailton Mascarenhas foi prefeito, Constatino também trabalhou na prefeitura”, informou. 
 
Ronaldo disse, ainda, que outros casos já ocorreram durante os seus governos anteriores e que foram detectados quando a prefeitura passou a confrontar as informações com a Previdência Nacional. Segundo ele, na ocasião o caso foi notificado e a pessoa foi afastada da função de imediato. 
 
“A lei brasileira não obriga que o funcionário apresente certidão dizendo que está ou não encostado e por isso, casos como esses acontecem em diversas prefeituras e também em empresas privadas, principalmente onde tem muitos funcionários”, disse. 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade