Proteção

Férias no litoral: como proteger o carro da maresia?

As gotículas levadas pelo vento podem acumular na superfície do carro.

21/01/2022 09h31, Por Gabriel Gonçalves

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Acorda Cidade

Muitas pessoas utilizam as férias de verão para aproveitar o verão nas praias brasileiras. No ano passado, segundo a Ecovias, mais de 1,2 milhão de carros desceram a serra em direção ao litoral paulista somente entre o final de dezembro e começo de janeiro. Este ano, o número deve ser ainda maior.

Para essas viagens, é comum que as pessoas utilizem os carros próprios, tanto para a descida da serra como para transitar na cidade litorânea e a maresia, névoa ou aerossol de pequenas gotas, formada pela ação do vento e pela movimentação e arrebentação da água do mar em rochedos ou na praia, podem causar diversos problemas nos carros, como mancha na pintura e nos vidros, corrosão de peças metálicas e desgaste de borrachas.

As gotículas levadas pelo vento podem acumular na superfície do carro. Quando secam, deixam resíduo de sal na lataria e vidros, que podem causar manchas esbranquiçadas. Quando a superfície não é lavada, o sal pode se acumular e criar uma resistência e se misturar aos produtos, comprometendo a pintura do carro.

Uma forma de prevenir e evitar essa situação é a instalação de películas na lataria do carro. Junior Ruciretta, CEO da Multifilmes, empresa especializada em aplicação de películas em automóveis e residenciais, explica que existem diferentes tipos de películas e elas não se resumem às películas que escurecem os vidros. “No mercado, existem diversos tipos de películas, até aquelas que protegem a pintura do carro da ação do clima e de arranhões. Elas são totalmente incolores e além da proteção, ainda dão brilho à pintura”, explica.

As películas de proteção garantem a prevenção de danos na pintura causados pela chuva e produtos ácidos, riscos e arranhões; bloqueio de sujeiras indesejadas de insetos e pássaros; proteção dos raios ultravioletas; além de duração de cinco a sete anos.

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade