Feira de Santana

Familiares e amigos fazem campanha para custear tratamento de menino com má formação nos pés

O procedimento pode ser realizado pelo SUS, mas a família ainda não conseguiu marcar uma consulta.

17/06/2022 16h19, Por Gabriel Gonçalves

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

O pequeno Davi Marcos Pereira Santos, 6 anos, nasceu prematuro com apenas 5 meses e com paralisia cerebral. Por conta disso, possui uma má formação nos pés, o que o impede de ter melhor locomoção.

Ao Acorda Cidade, a avó de Davi, Tânia de Almeida Moreira, contou que o neto só consegue andar nas pontas dos dedos, sentindo muitas dores nos pés.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

“Hoje a situação de Davi é muito complicada. Ele nasceu com paralisia cerebral, não consegue colocar os pés no chão, não consegue andar perfeitamente, ele é um garoto que nasceu prematuro com apenas cinco meses, precisou ficar internado no hospital até pegar o peso ideal, infelizmente a mãe dele teve uma infecção generalizada e morreu com 23 anos de idade, e além dele, deixou mais duas filhas pequenas, uma de 7 e outra de 9 anos, e Davi também não chegou a conhecer a mãe. Meu neto hoje não anda, sente muitas dores, não consegue colocar os pés no chão, se for para andar, é com muito esforço, colocando apenas as pontas dos dedos, ele faz fisioterapia na Associação dos Pais e Amigos de Excepcionais (Apae), usa uma prótese também, mas este equipamento já está ficando pequeno e não está mais servindo”, contou.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

De acordo com Tânia, Davi precisa fazer um tratamento em cada pé, mas que custam em torno de R$ 2.500.

“Eu só peço a Deus que Ele possa me ajudar, e que os médicos também possam colaborar, porque o médico que Davi já passou, informou que esse tratamento iria começar com as aplicações, só que cada aplicação, custa de R$ 2.400 até R$ 2.500, e não tenho condições para pagar. Até rifa nós já fizemos, mas ainda não chegamos no valor que precisamos. Uma das médicas, informou que não tinha a certeza de quantas aplicações seriam necessárias, porque possa ser que esse tratamento tenha um resultado positivo com uma, duas ou três aplicações e a depender da situação, possa ser que estas aplicações aconteçam durante seis meses”, disse.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

Outra dificuldade encontrada pela família, são as consultas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que não consegue realizar.

“Esse tratamento também pode ser feito pelo SUS, porém eu não consigo marcar, já são 4 anos seguindo desta forma. Todo encaminhamento deve ser feito para Salvador, mas ainda sem nenhuma resposta. Por isso que estou conclamando ajuda da sociedade que possa fazer esta ponte, porque se podemos fazer isso pelo SUS, não iríamos precisar apenas do dinheiro, mas que pelo menos, algum especialista pudesse olhar para meu neto e poder ajudar”, relatou.

Ana Paula Santana, é amiga da família, e também está empenhada em abraçar o projeto e ajudar Davi à realizar o sonho, que é poder andar normalmente.

Segundo ela, o procedimento pode ser feito no Hospital Martagão Gesteira pelo SUS.

“A família me procurou para darmos este apoio para Davi. Ele precisa dessas ampolas de toxina, aplicação de Toxina Botulínica Tipo A de 100ml. Essas aplicações são feitas em Salvador no Hospital Martagão Gesteira, mas nós sabemos das dificuldades que é pelo SUS. Já ligamos várias vezes, fizemos diversos encaminhamentos, a médica que acompanha o caso dele já disse que pelo menos, cerca de oito aplicações deveriam ser feitas, mas a família não tem condições de pagar R$ 2.400 em uma aplicação, imagine oito. Davi é um guerreiro, quer ter a oportunidade de andar normal, ele pisa apenas na ponta do pé, sente dores e estamos aqui para ajudar”, contou.

Segundo Ana Paula, a intenção da família é buscar o apoio através do SUS, mas caso as pessoas se interessem e desejem fazer algum tipo de doação, disponibilizou o contato da tia de Davi.

“A nossa intenção aqui, é conseguir o tratamento pelo SUS, porque é do nosso direito, é possível fazer, mas infelizmente estamos encontrando dificuldades. Caso as pessoas queiram ajudar o nosso Davi, elas podem entrar em contato diretamente com a tia dele, o nome dela é Cilene, pelo (75) 98856-5317, e qualquer dúvida, ela também poderá passar mais informações”, concluiu.

O Acorda Cidade está em contato com o Martagão Gesteira para mais esclarecimentos.

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade