Política

Após retirar proposta de empréstimo internacional, prefeito de Feira busca financiamento local de R$ 175 milhões

Com a retirada da primeira proposta, o prefeito decidiu buscar financiamento em instituições financeiras brasileiras, como o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica.

21/09/2023 às 18h40, Por Iasmim Santos

Compartilhe essa notícia

Escola do Sítio Novo
Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

O prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins, recentemente retirou uma proposta de empréstimo de 50 milhões de dólares, alegando falta de apreciação pela Câmara Municipal. No entanto, uma nova proposta de 175 milhões de reais será enviada à Câmara, buscando financiamento para projetos de infraestrutura.

A primeira proposta, feita em abril de 2022, visava um empréstimo internacional, onde a Prefeitura de Feira de Santana buscaria a aprovação da Câmara Municipal antes de encaminhar o projeto para o Ministério de Planejamento, o Tesouro Nacional e o Senado Federal. O Governo Federal atuaria como avalista, possibilitando juros mais baixos do que os bancos nacionais. O objetivo era financiar uma série de obras públicas, incluindo a construção de viadutos, duplicação de vias e soluções para problemas de alagamento na cidade.

No entanto, a proposta original enfrentou dificuldades de discussão e aprovação na Câmara Municipal, levando o prefeito Colbert a retirá-la.

Quanto a isso, o líder do governo na Câmara de Feira de Santana, o vereador José Carneiro Rocha justificou a decisão do gestor do município dizendo que o governo municipal estava chegando ao fim do mandato, com apenas um ano restante, o que tornava improvável a conclusão dos trâmites necessários para o empréstimo internacional. Além disso, ele apontou a proximidade das eleições como um fator complicador.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Com a retirada da primeira proposta, o prefeito decidiu buscar financiamento em instituições financeiras brasileiras, como o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica. No entanto, isso resultou em juros significativamente mais altos, e o valor solicitado foi reduzido pela metade, agora totalizando 175 milhões de reais.

O vereador José Carneiro Rocha explicou que, ao contrário da proposta original, esse empréstimo não envolverá os trâmites complexos anteriores. Se aprovado pela Câmara, o governo municipal poderá acessar diretamente a instituição financeira e obter o empréstimo.

Entretanto, o valor reduzido do empréstimo deve limitar a quantidade de obras que podem ser financiadas. O projeto inicial era ambicioso, incluindo a construção de viadutos, duplicação de vias, e soluções para problemas de alagamento em várias partes da cidade. Com o novo montante, é provável que a quantidade de obras seja reduzida.

“A proposta do governo era fazer um número de obras muito grande. A ideia inicial era construir o viaduto do Viveiros, o viaduto do Feira IX, que dá acesso ao Nova Esperança, era construir a via de duplicação da rua Artêmia Pires, a avenida que dá acesso ao aeroporto, era acabar com o alagamento da Baraúna e também da Artêmia. Enfim, era realmente um projeto grandioso. E eu acredito que com esse valor o número de obras também seja reduzido pela metade”, considerou.

Com informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Fazer empréstimo deste valor para iniciar as obras e abandonar. Igual ao “novo centro” BRT da João Durval, creche ou é um posto de saúde aqui no sítio Matias que nunca finalizou… entre outras mais que não saberei citar. Esse prefeito não precisa fazer mais nada. Já destruiu o suficiente, já gastou nosso dinheiro o suficiente.

  2. O DESPREFEITO nada fez esse tempo todo, agora quer essa verba??? Com certeza esse dinheiro vai para campanha do candidato dele na eleição de 2024, ele sabe que se entrar outro grupo na prefeitura, vai investigar e descobrir ,as maracutaias da gestão dele e de Zé CORONÉ. Espero que os vereadores não façam essa loucura.

  3. Tomar empréstimo e deixar a dívida pro próximo gestor, pra quando o próximo gestor assumir, tomar outro empréstimo pra pagar esse de agora, transformando em uma bola de neve.

  4. Boa noite, basta olhar o histórico de obras mal acabadas que existem, e não são poucas, que conlui-se que: Conceder esse empréstimo ao gestor é uma atitude irresponsável da camara de vereadores.

Mais Notícias

image

Rádio acorda cidade