Política

Federação Nacional de Culto Afro-brasileiro cobra respeito de vereadores que criticam religião

Ao Acorda Cidade, o vereador Edvaldo Lima (MDB), citou que as comissões que estão participando das sessões na Câmara Municipal estão com perseguições.

30/11/2021 15h21, Por Maylla Nunes

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Uma comissão da Federação Nacional de Culto Afro-brasileiro, esteve presente na Câmara Municipal de Feira de Santana na manhã desta terça-feira (30), utilizando a tribuna livre da Casa, como forma de direito de resposta às ofensas que estão sendo direcionadas ao grupo.

Em entrevista ao Acorda Cidade, a presidente da Federação, Maria das Graças Santos, explicou que o objetivo da presença da comissão, foi contra argumentar as ofensas e atos intolerantes que são motivados pelos próprios vereadores.

"Hoje nós estamos aqui para pedir a todos eles um pouco mais de respeito com a nossa religião, respeito com o nosso povo, porque não pregamos a violência, nós pregamos a paz e não sei o que se passa na cabeça de alguns edis, como por exemplo o vereador Paulão e o vereador Edvaldo Lima, que sempre nas falas, são intolerantes. Inclusive, recentemente o vereador Silvio Dias, fez uma solicitação que ele tirasse a faixa que ele carrega no peito com o nome Jesus, e nos ofendeu como se estivéssemos aqui procurando alguma briga. Viemos pedir respeito, porque esta é uma Casa da Cidadania, onde se deve acolher todos, todas e todes, porque todos eles estão aqui através do voto do povo, e aqui mostramos a eles, que nós somos cidadãos desta cidade, seja o povo do Candomblé, o povo católico, evangélicos e ateus, não tem porque eles ficarem blasfemando, ofendendo o povo", disse.

Foto: Paulo José/ Acorda Cidade | Vereadores Paulão do Caldeirão e Edvaldo Lima

Ao Acorda Cidade, o vereador Edvaldo Lima (MDB), citou que as comissões que estão participando das sessões na Câmara Municipal estão com perseguições, e citou que é um cristão que não pode aceitar o pecado das outras pessoas.

"Isso está acontecendo com frequência aqui na Casa da Cidadania, na semana passada foi o ativismo gay e hoje está sendo o Candomblé. Eles estão dizendo que eu sou um perseguidor, mas eu não persigo ninguém, nem religião. As pessoas não querem entender que eu não sou religioso, eu sou um cristão, eu temo a Deus e respeito as pessoas, mas eu não posso respeitar o pecados das pessoas que elas possuem com o próprio Deus, que criou o ser humano. Eu tenho um caminho a seguir, que é o único caminho que leva o homem até Cristo. Eles chegaram hoje aqui e vieram rebater, mas por quê o vereador Edvaldo Lima não é do Candomblé? Não vou porque não é o meu lugar, o meu lugar é no tempo onde nós dobramos os joelhos e adoramos Deus de Israel, lá sim, mas eu não sou um homem religioso, sou um homem cristão, e quero dizer a todas essas pessoas, que nós não temos preconceitos, nem raiva, como falaram aqui na tribuna da Câmara. Nós somos líderes evangélicos e membros congregados, amamos as pessoas, oramos para que Jesus liberte todos, pois estão presos em uma religião e não podemos ficar presos, precisamos ser libertados do pecado", concluiu. (Por Gabriel Gonçalves, com informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade)

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade