Dom Itamar Vian

Jogos de Azar

Legalizar os Jogos de Azar significa fomentar a sorte e o ganho fácil como ideal de vida, em vez do trabalho humano honesto e perseverante.

01/07/2024 às 11h50, Por Dom Itamar Vian

Compartilhe essa notícia

Apostas Esportivas
Foto: Joédson Alves/Agência Brasil

Está tramitando no Congresso Nacional o projeto que propõe a abertura e a legalização dos Jogos de Azar, particularmente, dos cassinos. Não se trata aqui do lazer popular. A questão é outra. Quer-se legalizar a alta indústria dos jogos que são uma ilusão para muitas pessoas e assegura fortunas para proprietários.

📲 NOTÍCIAS: siga o canal do Acorda Cidade no WhatsApp

ALEGA-SE que a abertura dos Jogos de Azar poderá ser fator de desenvolvimento econômico, incentivo ao turismo, às estâncias hidrominerais, gerar empregos e, até mesmo, beneficiar obras sociais. Esses argumentos são frágeis porque, priorizam-se valores econômicos, em detrimento de valores familiares, éticos e morais. Há outros modos de incentivar o turismo e a solidariedade.

LEGALIZAR os Jogos de Azar significa fomentar a sorte e o ganho fácil como ideal de vida, em vez de valorizar o trabalho humano honesto e perseverante. Rompe-se a harmonia doméstica pela inquietação que se abate sobre o lar, diante da atração que, aos poucos, domina os jogadores, com o perigo de dilapidar o patrimônio familiar. Quem não conhece casos de desespero dos que perdem tudo nas apostas, acarretando desequilíbrio econômico, psíquico e até tentativa de suicídio?

O AMBIENTE dos Jogos de Azar, principalmente dos cassinos, quase sempre, acarreta efeitos negativos sobre as famílias, de modo todo especial, à juventude. Favorece a vida noturna, o consumo de bebidas alcoólicas, de drogas e abre portas para a prostituição. Além disso, afeta a convivência familiar e a educação dos filhos, diante do mau exemplo dos pais e das mães. Em tais recintos, também, será difícil evitar a lavagem de dinheiro, o narcotráfico e a corrupção.

A QUEM interessa a abertura de casas de jogos? Somente àqueles que pretendem explorá-las. Por isso, promovem pressões sobre políticos, empresários e formadores de opinião púbica para legalizá-las. Porém, o erro não cria acerto, mas perverte a hierarquia de valores. As leis devem ter um valor formativo e não devem induzir ao erro que prejudiquem as famílias. Quem ama o Brasil deve incentivar o trabalho, o estudo, o esporte e não Jogos de Azar.

QUE FUTURO nós queremos para o Brasil? Que exemplo e formação queremos oferecer aos jovens, se os Jogos de Azar afetam a saúde física, psíquica, ética e moral? Pedimos a Deus, pela prece das famílias e comunidades que, para o bem do Brasil, especialmente de nossa juventude, nos preserve desse mal e ilumine nossos deputados e senadores na rejeição desse projeto de legalização de Jogos de Azar no país.

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
[email protected]

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

image

Rádio acorda cidade