Política

'Haddad jamais ficará enfraquecido enquanto eu for presidente', diz Lula

Na Itália, Lula afirmou que na próxima semana pretende discutir os gastos do governo federal.

15/06/2024 às 14h41, Por Dilton e Feito

Compartilhe essa notícia

Presidente Lula
Foto: Ricardo Stuckert/PR

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) declarou neste sábado (15) que, enquanto estiver no cargo, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, “jamais ficará enfraquecido”.

Lula voltou a defender Haddad ao final da viagem que fez à Suiça e Itália para encontros da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do G7, grupo que reúne nações democráticas mais ricas do mundo: Estados Unidos (EUA), Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Japão.

De acordo com a colunista do g1 Andréia Sadi, o ministro da Fazenda recebe pressão de setores do PT e também tem sido questionado pelo mercado financeiro acerca de sua capacidade para concretizar a agenda econômica do governo e equilibrar as contas públicas.

Questionado sobre a situação de Haddad e a intenção de cortar gastos, Lula fortaleceu a posição do ministro no governo.

“O Haddad jamais ficará enfraquecido enquanto eu for o presidente da República porque ele é o meu ministro da Fazenda, escolhido por mim e mantido por mim”, disse o presidente na Itália.
Diante da pressão do mercado, Haddad afirmou nesta semana que a equipe econômica do governo vai intensificar a agenda de trabalho em relação aos gastos públicos, e que deve focar, nas próximas semanas, em fazer uma revisão “ampla, geral e irrestrita” das despesas.

Lula comentou o tema na Itália. O presidente afirmou que não fará ajuste de contas “em cima dos pobres”. O presidente fez o comentários em meio à pressão para que o governo modifique regras que tratam dos investimentos mínimos em saúde e educação.

Lula repetiu que empresários e senadores terão de encontrar uma saída para compensar as despesas com a desoneração da folha de pagamentos, já que o Senado devolveu a medida provisória que alterava regras do PIS/Cofins para elevar receitas.

O presidente disse que pediu ao ministro da Casa Civil, Rui Costa, uma reunião na próxima semana para discutir o orçamento federal.

“Eu quero fazer a discussão sobre o orçamento e quero discutir os gastos. Porque, o que muita gente acha que é gasto, eu acho que é investimento”, afirmou Lula.

Guerras


Lula reforçou as críticas ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, por conta da ofensiva militar na Faixa de Gaza. O presidente repetiu que ocorre um “genocídio” de mulheres e crianças palestinos.

“O primeiro-ministro de Israel não quer resolver o problema. Ele quer aniquilar os palestinos. Vamos ver se ele vai cumprir a decisão do Tribunal Penal Internacional, vamos ver se ele vai cumprir a decisão tirada da ONU agora”, disse Lula.

Recentemente, uma resolução aprovada no Conselho de Segurança da ONU pediu que Israel e o Hamas implementem com urgência o plano dos Estados Unidos para um cessar-fogo na Faixa de Gaza.

Lula também voltou a afirmar que é preciso encerrar a guerra entre Ucrânia e Rússia, mas que só acredita em um acordo de paz caso os dois países sentem para negociar.

Mercosul x União Europeia


Lula afirmou que retorna ao Brasil otimista para que Mercosul e União Europeia finalmente assinem as mudanças no acordo de livre comércio entre os blocos.

O presidente reconheceu que a definição pode demorar em razão da eleição na França e do processo que poderá reconduzir Ursula Von der Leyen para o comando da Comissão Europeia.

Lula disse que conversou com o presidente da França, Emmanuel Macron, e com o primeiro-ministro da Alemanha, Olaf Scholz, sobre a recente eleição do parlamento europeu, marcada pelo aumento do espaço da extrema-direita.

“Vou levar os ensinamentos para casa”, disse Lula.

Energia elétrica em São Paulo


Lula afirmou que conversou com representantes da Enel, empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica em São Paulo e outros 24 municípios da região metropolitana.

A empresa é alvo de críticas e multas por conta de problemas na prestação do serviço. O episódio mais recente ocorreu em março, quando moradores e comerciantes no Centro de São Paulo ficaram mais de uma semana no escuro em razão de problemas na rede subterrânea da empresa. No período, até a Santa Casa de Misericórdia foi afetada.

Lula disse que a Enel se comprometeu a ampliar investimentos e que avalia renovar o contrato da empresa.

“Estamos conversando com eles. A gente está disposto a renovar o acordo se eles assumirem compromisso de fazer investimentos. Eles assumiram o compromisso: ao invés de investir R$ 11 bilhões, eles vão investir R$ 20 bilhões nos próximos anos três anos, prometendo que não haverá mais apagão em nenhum lugar em que eles são responsáveis pela energia”, disse Lula.

O presidente declarou que na próxima semana receberá proposta do Ministério de Minas e Energia para avaliar a renovação.

Fonte: G1

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

image

Rádio acorda cidade