Política

Cotado para prefeito, empresário avalia embate entre prefeitura e Câmara: ‘Em nada constrói’

Na opinião dele, clima de desavença entre a prefeitura e a Câmara de Vereadores em nada contribui para o crescimento econômico de Feira de Santana.

08/02/2022 14h29, Por Laiane Cruz

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Laiane Cruz

Um dos nomes cotados no meio empresarial para ser lançado como candidato à prefeitura de Feira de Santana, o empresário Jodilton Souza, que é presidente do Grupo Nobre, descartou à priori, nesta terça-feira (8), a possibilidade de assumir algum cargo político, nas próximas eleições municipais.

Apesar disso, não deixou de opinar sobre o atual cenário político que envolve a cidade e o clima de desavença entre a prefeitura e a Câmara de Vereadores, que na avaliação dele, em nada contribui para o crescimento econômico de Feira de Santana.

“Não posso deixar tudo para me dedicar à prefeitura, onde haveria grandes problemas e em Feira de Santana, teríamos o embate da prefeitura com a Câmara. E aproveito para pedir ao presidente Fernando Torres, da Câmara, para que ele possa se juntar com o prefeito para fazer uma grande administração em Feira de Santana, ao invés de xingar, gritar e ofender, pois isso não constrói e leva um mau exemplo para a sociedade, aos nossos jovens. O ser humano não foi criado para destruir e brigar, mas sim para unir, para juntar e construir o bem comum. Peço isso em nome das minhas empresas, a gente que gera impostos, gera salários. Precisamos viver em uma Feira politicamente mais harmoniosa. Nunca quis entrar na política por isso”, opiniou Souza.

Hoje comandando mais de 3 mil funcionários em diversas empresas, o empresário acredita que pode contribuir mais com o crescimento da cidade sem precisar ser candidato a prefeito, mas avalia que há outros nomes do meio empresarial que também têm se destacado e têm muito a oferecer para o desenvolvimento de Feira.

“Com muita certeza, eu produzo em Feira de Santana, sem ser prefeito, talvez tanto quanto um prefeito. Sou amigo de empregos e empresas que atendem à sociedade. É muito difícil administrar uma cidade. Tenho mais de 3 mil funcionários e minhas empresas ainda dependem muito de mim e da minha família. Tem muita gente boa em Feira, muito empresário, como Luizinho da Mersan, Guto da Gurjão, Dilson Barbosa, Renato Ribeiro, Dilton Coutinho, tanta gente boa, mas o problema é que é aquela velha história do cobertor curto: se você cobrir a cabeça para ser prefeito, descobre os pés dos seus negócios. A gente também pode ajudar de fora. O que deveria era a prefeitura e a Câmara criar um comitê de pessoas que pensam e podem criar um projeto macro para Feira”, declarou.

Feira de Santana, na visão do empresário Jodilton Souza, há muito deixou de ser uma cidade onde a maior preocupação deve girar somente em torno de consertos de ruas e limpeza de parques e jardins. Precisa avançar para projetos maiores.

“À cidade não só cabe mais conserto de ruas e limpeza de jardins. Feira tem que ter um projeto macro, é preciso pensar Feira para daqui a 20 ou 30 anos, tem que pensar Feira como uma cidade que venha a evoluir. Ontem vi uma pessoa agradecer à prefeitura por uma estrada que foi cascalhada, mas Feira não tem que ter mais cascalho em estrada, tem que pegar verba federal e asfaltar e iluminar da cidade até lá, para que as pessoas tenham qualidade de vida, cada lugar desse deveria ter um ginásio para as crianças praticarem esportes. Hoje a cidade tem tantos problemas, e a prefeitura fica tapando buracos, resolvendo pequenos problemas”, lamentou.

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade