Polícia

Celulares e chips são encontrados durante revista no conjunto penal de Feira

Segundo o superintendente de Gestão Prisional, Major Júlio Cezar, sempre que materiais proibidos são encontrados, a polícia procura avaliar de quem é e como entraram.

21/08/2015 10h58, Por Maylla Nunes

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Daniela Cardoso

Uma operação foi realizada durante o dia de ontem (20) no presídio regional de Feira de Santana para a realização de uma revista geral nos pavilhões. Durante a operação, foi encontrada uma série de materiais proibidos como celulares, chips e substâncias aparentando ser maconha.

O superintendente de Gestão Prisional, Major Júlio Cezar, informou que a operação foi realizada de imediato, após o secretário estadual de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Duarte, ter recebido a informação de que ia entrar drogas na unidade prisional. Segundo ele, sempre que materiais proibidos são encontrados, a polícia procura avaliar de quem é e como entraram.

“Participamos de uma reunião do Pacto Pela Vida com a presença do governador Rui Costa e do secretário Nestor Duarte e lá foi tratado sobre a importância do conjunto penal e também da necessidade de fazermos essa intervenção. O secretário, de imediato, buscou uma parceria de algumas instituições como o Ministério Público, a Polícia Militar, o Comando de Policiamento Regional Leste (CPRL), além de tropas, e foram enviados ao presídio para o início da operação”, informou.

Segundo o Major Júlio Cezar, existem duas linhas de investigação para saber como os materiais proibidos entraram no presídio: uma específica relacionada ao comportamento do interno que teve acesso ao material e a outra linha, através da corregedoria da secretaria, como também da coordenação de inteligência da polícia. 

“As investigações são no sentido de identificar como foi, qual foi o trajeto para esse material chegar dentro das nossas unidades. Pelo volume que encontramos, ainda não fechamos os números. Mas eu fico feliz porque a quantidade encontrada está muito menos do que de uma operação que fizemos no passado. Isso é sinal de que a direção do conjunto penal de Feira está no rumo correto, está realmente organizando as atividades dentro da unidade, que é grande e complexa”, destacou.

Por causa da operação, a visita que ocorreria ontem foi suspensa e os familiares fizeram uma manifestação em frente ao conjunto penal. Os familiares reclamaram que não foram avisados da revista e que nenhum agente dava informações sobre o que estava acontecendo no interior da unidade. Mas, segundo o Major Júlio Cezar, no domingo a visita vai ser realizada normalmente. “Os familiares podem ficar tranquilos.”

As informações são do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Captcha

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade