Casa da Cultura

Casarão Olhos D’água funcionará diariamente e será aberto para visitação

O imóvel passou por uma reforma que e um evento de inauguração foi realizado na manhã desta sexta-feira (18), dia em que a cidade comemora 187 anos de emancipação política.

18/09/2020 13h21, Por Andrea Trindade

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Andrea Trindade

O Casarão Olhos D’água, imóvel que abrigou a família dos fundadores de Feira de Santana, o casal Domingos Barbosa de Araújo e Ana Brandoa, tornou-se a Casa da Cultura, onde funcionará diversas academias voltadas à preservação da memória, ciência e cultura local.

O imóvel passou por uma ampla reforma que custou em torno de 200 mil reais, incluindo a compra de mobílias e outros implementos. Um evento de reinauguração da reforma, foi realizado na manhã desta sexta-feira (18), dia em que a cidade comemora 187 anos de emancipação política.

Após a autorização da abertura de setores culturais, que tiveram as atividades suspensas por conta da pandemia de covid-19, o local administrado pela Fundação Municipal Cultural Egberto Costa, passará a funcionar das 18h às 12h, das 14h às 17h30 de segunda a sexta.

Segundo o presidente da Fundação, Antônio Carlos Coelho, futuramente o casarão também poderá abrir aos domingos para visitação.

Fotos: Paulo José/Acorda Cidade

O local abriga o Memorial Maria Quitéria, em homenagem a heroína feirense, grande protagonista da história da Independência da Bahia.

“Em 1967 fui a um congresso de vereadores no Rio Grande do Sul. Era um congresso que tinha mais de três mil vereadores de todo o país. Fui acompanhado, naquele oportunidades, pelos colegas de saudosa memória, Otaviano Campos e Edval Machado. Nesse congresso fomos abordados a todo instante, para que falássemos um pouco sobre Maria Quitéria. A curiosidade muito grande que a vereança brasileira tinha em conhecer mais a heroína da Independência de Dois de julho. Chegando em Feira, reunimos o máximo possível de livros e mandamos para esses colegas. No entanto, eu tive uma grande decepção, de chegar em uma escola municipal, em uma sala com aproximadamente 50 alunos e perguntei : “Quem poderia me dizer quem foi Maria Quitéria?”. Nenhum aluno sabia. A partir dessa data, eu era presidente da Câmara, construí uma comissão para comemorar o aniversário de morte de Maria Quitéria com uma sessão solene na Igreja Católica do distrito de São José, que hoje tem o nome de Maria Quitéria e de lá para cá, desenvolvemos com as academias, principalmente com a Academia de Letras e Artes, presidida pela professora Lélia Fernandes, uma campanha, para instalarmos o memorial de Maria Quitéria. Vou visitar todas as escolas municipais e estaduais de Feira de Santana tão logo passe essa pandemia para convidar os alunos para conhecerem o Memorial Maria Quitéria.”, declarou.

Antônio Carlos Coelho informou que a fundação apoiará grande eventos que serão realizados no casarão futuramente e que o mesmo também será sede da Academia de Letras e Artes; Academia de Educação; Academia Feirense de Letras; Academia de Medicina; Academia de Ciências e Artes; Academia Regional de Letras Jurídicas; Instituto Histórico e Geográfico de Feira de Santana.

O casarão fica na Rua Dr. Araújo Pinho, 1331 – bairro Olhos D'agua, Feira de Santana 

Foto: Paulo José/Acorda Cidade  | A maestrina e cantora Célia Zain, representando Maria Quitéria, ao lado do presidente da Fundação Cultural Egberto Tavares Costa, Antônio Carlos Coelho.

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade