Brasil

Motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo entram em greve

Paralisação, prevista por 24 horas, ocorre após categoria rejeitar proposta das empresas de aumento de 12,47% a partir de outubro. SPTrans afirma que sindicato não cumpriu manutenção de 80% da frota no horário de pico, determinada pela Justiça, e irá cobrar autuação de multa de R$ 50 mil prevista.

14/06/2022 09h53, Por Acorda Cidade

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Foto: Greve de ônibus em SP

Os motoristas e cobradores de ônibus da cidade de São Paulo entraram em greve nesta terça-feira (14) após rejeitarem a proposta de reajuste salarial oferecida pelas empresas do setor.

Por conta da paralisação, a Prefeitura de SP decidiu suspender o rodízio municipal de veículos, que só deve voltar a vigorar na quarta (15).

A circulação de carros nas faixas e corredores de ônibus foi liberada pela CET no período da manhã. A medida será reavaliada na parte da tarde.

Segundo a Prefeitura de SP, todos os ônibus do chamado sistema estrutural estão parados por conta da greve.

São 6.469 ônibus, de 13 empresas, que representam 713 linhas, que ligam principalmente as periferias da cidade aos grandes terminais.

De acordo com a SPTrans, os ônibus do sistema local estão circulando. São 5.314 ônibus, 11 empresas, que fazem 487 linhas. São veículos de menor capacidade.

A SPTrans também afirma que o sindicato não cumpriu com a determinação da Justiça, de manutenção de 80% da frota no horário de pico, e que irá cobrar a autuação de R$ 50 mil de multa diária.

Transtornos

Usuários enfrentam transtornos desde as primeiras horas da manhã. Após trabalhar de madrugada, um grupo de funcionários de um mercado caminharam mais de duas horas para tentar encontrar um ônibus e voltar para casa.

No segundo dia do emprego, após anos na disputa por vaga, um auxiliar de produção disse à TV Globo que já estava atrasado e temia não conseguir trabalhar.

Resumo:

  • Paralisação deve durar 24h;
  • Sindicato pede reajuste de 12,47% a partir de maio; empresas querem pagar a partir de outubro
  • 15 empresas de ônibus estão com operação paralisada e 12 operam normalmente
  • Rodízio de veículos foi suspenso e CET liberou faixas e corredores de ônibus no período da manhã; medida será reavaliada à tarde

Fonte: G1

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

image image image image image image
Categorias Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade