Bahia

Corpo de motorista de aplicativo é encontrado em Salvador; amigo confessou ter matado homem a facadas em chácara

Elionaldo da Silva, de 34 anos, foi visto pela última vez no domingo (9), no bairro de Cassange.

15/06/2024 às 07h11, Por Acorda Cidade

Compartilhe essa notícia

Família procura corpo de motorista por app desaparecido após sair para trabalhar em Salvador
Foto: Reprodução/ Redes sociais

O corpo do motorista de aplicativo Elionaldo Cardoso da Silva, de 34 anos, foi encontrado no início da noite de sexta-feira (14), em uma chácara no bairro de Cassange, em Salvador. A informação foi dada pela esposa do homem, mas não foi confirmada pela Polícia Civil.

Elionaldo foi visto pela última vez no último domingo (9), quando saiu para trabalhar. Um amigo dele, que não teve nome divulgado, confessou ter matado o motorista a facadas, segundo a Polícia Civil (PC). Ele é dono da propriedade onde o corpo foi localizado.

Conforme a PC, o suposto autor do atentado, que não teve nome divulgado, se apresentou na sexta no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O suspeito foi ouvido e liberado em seguida, porque não havia prisão preventiva decretada pela Justiça.

A polícia informou que pediu a prisão do suspeito, contudo, não foi aceito. Com isso, o investigado segue em liberdade.

O que diz a família da vítima

O carro de Elionaldo Cardoso da Silva foi encontrado na segunda-feira (10), na localidade da Pedra de Xangô, em Cajazeiras. A polícia confirmou que um corpo foi encontrado na chácara do investigado nesta sexta, entretanto, não confirmou que é do motorista.

A família da vítima contou que Elionaldo Cardoso da Silva e o suspeito eram amigos há cerca de seis anos e que os dois gostavam de curtir festas na chácara.

“Quando eu estava indo depor, o policial que estava na viatura recebeu uma denúncia de que ele estava em uma chácara, em uma festa, teve um desentendimento com o dono, que deu uma facada na barriga dele”, disse a esposa da vítima, Maiara Brito.

“Já veio na minha mente, porque ele só andava nessa chácara, dizia que era amigo dele. Eu falava para ele que era para parar de ficar só naquela chácara, para ficar com a família e ele dizia: ‘Não, amor, não estamos fazendo nada demais, só estamos curtindo. Vou parar'”.
Segundo Maiara Brito, o suspeito de matar o esposo dela encontrou a família dela na quinta-feira (13) e disse que não tinha cometido o crime. Horas depois, confessou ter esfaqueado Elionaldo.

“Ele veio aqui ontem, olhou no olho da gente e disse que não matou meu esposo. Era amigo dele e fez essa covardia com meu esposo”.


Com o suspeito solto, Maiara Brito teme que o homem fuja e não seja mais localizado caso a Justiça decida pela prisão dele. “Como é que ele está solto? A chácara dele está cheia de sangue, de vestígios, porque lá é um campo de desova e ele está solto”, afirmou.

Pai revela dívida

A motivação do desentendimento entre os amigos ainda é um mistério. O pai de Elionaldo Cardoso contou que o filho tinha emprestado dinheiro para o suspeito. Ele não tem certeza, mas acredita que a falta do pagamento pode ter causado a briga.

“Meu filho emprestou um dinheiro para ele. Talvez ele tenha cobrado essa quantia, ele se desesperou e fez o que fez com meu filho. Não sei o valor, mas foi alto”, contou Reinaldo Santana.
O idoso informou que Elionaldo e o suspeito chegaram a juntar as famílias, na mesma chácara que aconteceu o crime, em junho do ano passado, para os festejos juninos.

“Ele sempre frequentou a casa de meu filho e ano passado a gente festejou o São João nessa chácara. Ele comeu, bebeu, se distraiu sem gastar nada, tudo através do meu filho”, disse Reinaldo.

“Não sei porque ele fez essa maldade com meu filho. Ele chamou meu filho para essa brincadeira, no domingo e fez o que fez”, lamentou.

Fonte: G1

Siga o Acorda Cidade no Google Notícias e receba os principais destaques do dia. Participe também dos nossos grupos no WhatsApp e Telegram

Compartilhe essa notícia

Categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    1. Mas se se tratasse de velhinhas portando Bíblias e terços nas mãos na frente do Congresso Nacional… se fosse, ai sim o JUDICIÁRIO não perdoaria, nem mesmo se tivesse câncer terminal… condenariam e prenderiam sem dóm negando todos os seus direitos fundamentais e constitucionais… mas ai teria fundamentação: “salvar esta pseudo democracia de M****”… kkkkkk … seria cômico se não fosse trágico… kkkkkk

Mais Notícias

image

Rádio acorda cidade