Educação

Após reunião, professores e prefeitura não entram em acordo sobre pagamento do precatório

Em entrevista ao Acorda Cidade, o prefeito Colbert Martins reiterou sua posição de que não irá efetuar os pagamentos enquanto não houver um parecer judicial determinando a ação.

26/09/2018 16h36, Por Kaio Vinícius

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Laiane Cruz

Os professores da rede municipal de Feira de Santana se reuniram com o prefeito Colbert Martins na tarde desta quarta-feira (26), a pedido dos vereadores José Carneiro e Alberto Nery, para tratarem mais uma vez sobre o pagamento dos precatórios do Fundef para a categoria. No entanto, não houve acordo entre as partes.

Em entrevista ao Acorda Cidade, o prefeito Colbert Martins reiterou sua posição de que não irá efetuar os pagamentos enquanto não houver um parecer judicial determinando a ação.

“A discussão foi sobre o pagamento dos precatórios, o mesmo assunto que já reiterei várias vezes que, enquanto não houver uma decisão judicial do Supremo Tribunal Federal (STF), do Ministério Público Federal (MPF) e do Tribunal de Contas da União (TCU), eu não poderei tomar nenhuma decisão com relação a esse recurso. Estou proibido de gastá-lo e obedeço às decisões judiciais. Os professores querem uma parte dos 150 milhões de reais para dividir entre eles, mas essa é uma decisão da Justiça brasileira, antes de qualquer coisa, e existem proibições a esse respeito”, afirmou o gestor municipal.

De acordo com ele, a prefeitura vem mantendo os pagamentos dos salários dos professores em dia e uma paralisação prejudica a pais e alunos. Ele criticou ainda a ocupação feita pelos professores no prédio principal da prefeitura, onde uma parte da categoria permaneceu até por volta da meia-noite.

“Reiterei a posição de que pagamos todos os salários em dia. Eu sempre atendi a todos os professores e a todas as pessoas que me procuram. Ontem a APLB não fez isso, resolveu pela ocupação e ao fecharem as portas da prefeitura, que é um patrimônio público tombado, alguns professores preferiram ficar lá, até que à meia-noite os vereadores José Carneiro e Alberto Nery saíram com essas pessoas pela porta que estava aberta.”

O vereador José Carneiro avaliou a reunião como positiva, apesar das partes não terem conseguido chegar a um entendimento.

“O prefeito entende que o dinheiro do precatório não pode ser pago enquanto estiver judicializado, já que tem um parecer do STF, TCU e MPF contra o pagamento. Já os professores entendem que cidades como Baixa Grande, Amélia Rodrigues pagaram. Mas o prefeito disse que não vai assumir essa responsabilidade.”
 

Com informações e fotos do repórter Paulo José do Acorda Cidade.

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade