Feira de Santana

Após críticas de Colbert contra o estado, Zé Neto diz que prefeito não consegue dialogar com ninguém

O deputado Zé Neto criticou ainda a condução do combate à pandemia por parte da gestão municipal.

31/05/2021 12h43, Por Andrea Trindade

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

Laiane Cruz

O deputado federal José Neto (PT) declarou, na manhã desta segunda-feira (31), que o prefeito Colbert Martins precisa #deixar a política partidária de lado e passar a governar#. Segundo ele, o gestor municipal não consegue dialogar com o governo do estado, e nem mesmo com a Guarda Municipal e os vereadores do município.

As declarações vieram após Colbert Martins publicar um vídeo nas redes sociais acusando o governo do estado de omissão em relação aos problemas de segurança pública enfrentados por Feira de Santana. De acordo com Colbert, ‘as lideranças políticas do governo do estado em Feira são cegas, surdas e mudas, fazem de conta que está tudo normal.”

Disse também que a PM tem sete anos sem aumento de salário, pouca tecnologia e recursos insuficientes para enfrentar as facções criminosas que avançam em Feira de Santana. Além disso, segundo o prefeito no vídeo, o Complexo Policial Investigador Bandeira é uma vergonha e o combustível das viaturas racionado. (Leia a matéria na íntegra)

Mas, conforme o deputado Zé Neto, a Segurança Pública é um problema sério de todo o país e com a pandemia piorou. Ele defendeu que o governo do estado vem, sim, trabalhando pela cidade e citou ações realizadas nos últimos meses no município.

“Em Feira tem sete companhias independentes da Polícia Militar. E hoje, eu estou indo conversar com o comandante geral porque já temos um mês trabalhando, tanto eu como Robson (Almeida, deputado estadual). Trouxemos viaturas, quadriciclos e motocicletas. Trouxemos viaturas para a Ronda Maria da Penha, para as companhias. Fiz emendas e vamos fazer a ampliação do posto na Lagoa Grande. Hoje vamos discutir a situação da cidade, a expectativa é que vamos abrir mais duas companhias para dar cobertura para a cidade. A Bahia, nos últimos dez anos, é o segundo estado do Brasil que mais contratou policiais. Fizemos há dois ou três anos um reajuste para policiais e professores, um caso raro no Brasil, porque todos os estados estão sem condições de avançar”, apontou o deputado Zé Neto.

Na opinião dele, está faltando maturidade por parte do prefeito Colbert Martins para governar.

“A cidade está cheia de problemas. Está faltando a ele maturidade para governar, dialogar com o estado, sentar à mesa. Ele não consegue conversar com os vereadores dele, quanto mais conversar com o governador. Não consegue conversar com o comandante-geral daqui. Ele não consegue conversar comigo, nem com ninguém. Isso (criminalidade) está acontecendo no Brasil inteiro. E pra piorar ainda temos um presidente da República que diz que todo mundo tem que andar armado. Colbert tem que ajudar e sair dessa ‘ziguezeira’ de fazer política. Ele falou aí do Complexo do Jomafa, eu também concordo, temos que fazer uma reforma. Trouxe o secretário de segurança pública aqui pra fazer essa reforma, veio a pandemia e atrasou tudo no governo, porque a gente focou na pandemia”, declarou o deputado em entrevista ao Acorda Cidade.

Combate à covid-19

O deputado Zé Neto criticou ainda a condução do combate à pandemia por parte da gestão municipal.

“A única coisa que tem organizada pra valer, do ponto de vista físico, para enfrentamento do coronavírus é o Hospital de Campanha, graças a um debate feito com ele, que se ele não abrisse até o dia 14 de abril do ano passado ele não tomasse providência, quem ia abrir era o governo do estado e eu tinha passado R$ 5 milhões de emendas e iria ver as coisas acontecendo. Fui até o Ministério Público e ele rejeitando o apoio do governo. Eu fui à prefeitura e abrimos o Hospital de Campanha, o governador botou lá o tomógrafo e funcionou, porque teve conversa com o estado.”

Ele destacou, ainda, que não é contra a abertura do comércio, bares e restaurantes, mas que ontem (31) havia 12 pessoas esperando na fila de UTI em Feira, e há dez semanas tínhamos colapso total de UTIs. Disse também que falta mais transparência com os recursos empregados no combate ao coronavírus.

“Tem 2 milhões e 14 mil parados em Brasília há oito meses, porque ele não quer construir os postos de saúde especializados da Covid, porque ele sabe que vai ser mais fácil fiscalizar. O que ele disse que o dinheiro da covid estava vindo para toda a rede, que toda a rede do município estava consumindo recursos da covid. E eu pergunto: é verdade? Inclusive em setembro tem uma prestação de contas dele na Justiça, que não prestou até hoje.”

 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade