Acorda Cidade - Dilton Coutinho

17 de Janeiro de 2022
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Saúde

Todas as notícias
Publicado em 28/11/2021 08h40.

Melasma: 5 coisas que você precisa saber sobre a doença

Essas manchas amarronzadas que surgem na pele incomodam muita gente, principalmente as mulheres.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Melasma: 5 coisas que você precisa saber sobre a doença
Foto: Divulgação

Acorda Cidade

Problemas de pele afetam diretamente a qualidade de vida das pessoas. E o melasma é um deles. Essas manchas amarronzadas costumam a aparecer no rosto, na testa, bochecha, queixo e nariz. Mas, há casos em outras regiões do corpo.

“Apesar de menos comum, as manchas também podem aparecer em outras áreas expostas ao sol, como colo e braços”, completa o dermatologista Bruno Vargas em entrevista à Revista Saúde.

Pensando nisso, listamos 5 coisas que você precisa saber sobre a doença.

1) O que é o melasma e quem é mais acometido

“Trata-se de uma disfunção na pigmentação da pele devido à concentração de melanina, pigmento que dá a nossa cor”, resume Vargas.

E ela pode ser dividida em três categorias: epidérmica, quando a camada mais superficial da pele é afetada; dérmica, com ocorrência das manchas na derme superficial e profunda; e, por fim, a forma mista, caracterizada por surgimento das marcas na epiderme e derme. “Determinar o tipo é essencial para o tratamento”, avisa o dermatologista. Segundo ele, as mulheres entre 25 e 40 anos são as mais afetadas.

2) Relação entre melasma e gravidez

A gravidez não é a responsável pelo surgimento das manchas. Na verdade, não há uma causa decisiva para o surgimento do quadro. “Ocorre que, durante a gestação, os hormônios obtidos pela placenta, como a progesterona, estimulam a hiperpigmentação da pele”, ensina o dermatologista. Por isso, aproximadamente 70% das mulheres com predisposição para o melasma identifica as primeiras manchas durante essa fase da vida.


3) Por que o quadro parece piorar no inverno

“No inverno, um número dos raios é menor, mas ainda assim estamos expostos à radiação. E não só do sol, como também das luzes artificiais ”, relata Vargas. Então, já sabe: na época mais fria do ano, nada de colocar o filtro no fundo da gaveta.

4) Tratamentos disponíveis

De acordo com Vargas, hoje, o mais comum é associação de terapias. Por exemplo: dá para recorrer a medicamentos orais e com ação antioxidante e, à noite, utilizar ácidos mais (ou menos) potentes.

5) O melasma não tem cura

Embora os processos sejam eficazes no manejo das manchas, infelizmente não dá para falar em resolução definitiva do quadro. “Mas saber que é possível controlar o melasma já é um grande alento. É totalmente possível levar uma vida sem essa perturbação constante ”, tranquila Vargas. Com informações da Revista Saúde. 

 

Fonte: Redação Ibahia

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Secretaria de Saúde segue com vacinação de crianças de 5 a 11 anos nesta terça (18)
Boletim

Secretaria de Saúde segue com vacinação de crianças de 5 a 11 anos nesta terça (18)

A imunização será na UniFTC das 8h às 17h e nas Unidades de Saúde da Família vinculadas ao Programa Saú...

38 pacientes em Feira de Santana aguardam transferências para hospitais
Regulação

38 pacientes em Feira de Santana aguardam transferências para hospitais

Do total, 15 somente na UPA Queimadinha.

Vídeo

Aos 71 anos, morador de Feira de Santana viaja a pé para Salvador Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta sexta-feira 14.01:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram