Acorda Cidade - Dilton Coutinho

27 de Novembro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Dilton e Feito

Todas as notícias
Publicado em 18/10/2021 16h51.

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA morre de Covid-19

Ele foi o primeiro negro a ocupar cargos importantes no governo dos EUA: conselheiro de Segurança Nacional na Administração de Ronald Reagan, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas de George H.W. Bush e secretário de Estado de George W. Bush.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA morre de Covid-19
Foto: Democratic National Convention via AP

O general Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morreu nesta segunda-feira (18) aos 84 anos por complicações ligadas à Covid-19, de acordo com um texto assinado por sua família em uma rede social.

“Queremos agradecer a todos no Centro Médico Walter Reed pelo tratamento. Perdemos um grande marido, pai, avô e um grande americano”, diz o texto. Ele morreu na cidade de Bethesda, no estado de Maryland, perto de Washington DC.

Powell tinha mieloma múltiplo, um tipo de câncer que atinge os glóbulos brancos. A família não divulgou qual foi a complicação da Covid-19 que ele teve e nem quando ele havia se vacinado, ou se havia recebido uma dose de reforço.

1º negro em cargos de grande responsabilidade

Powell serviu como principal oficial militar e diplomata dos Estados Unidos em governos de presidentes do Partido Republicano. No entanto, ele anunciou que votou em Joe Biden nas últimas eleições.

Ele foi o primeiro negro a ocupar cargos de grande responsabilidade nos EUA: conselheiro de Segurança Nacional na Administração de Ronald Reagan; chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas americanas, e secretário de Estado de George W. Bush até 2005 (nos EUA, esse é o nome do cargo do chefe da diplomacia). Ele se aposentou do Exército como general de quatro estrelas.

Powell foi o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos Estados Unidos durante a primeira Guerra do Golfo em 1991, durante o governo de George H.W. Bush.

Na época da invasão do Iraque, em março de 2003, já com George W. Bush na Presidência, ele era secretário de Estado.

Quando Barack Obama foi eleito, em 2008, ele afirmou que ficou emocionado. Na ocasião, ele afirmou: "Mesmo que alguém tenha votado no Obama, ou não, é preciso sentir um orgulho enorme pelo fato de que fomos capazes de conseguir isto". Ele tinha anunciado apoio a Obama uma semana antes das eleições. (Fonte: G1)

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

'Vamos todos pagar a conta', diz Prates sobre liberação de público nos estádios
Dilton e Feito

'Vamos todos pagar a conta', diz Prates sobre liberação de público nos estádios

Secretário de Saúde de Salvador fez as críticas pelo Twitter.

Direção nacional do PP cogita lançar João Leão ao Senado na chapa de ACM Neto
Dilton e Feito

Direção nacional do PP cogita lançar João Leão ao Senado na chapa de ACM Neto

O petistas planejam lançar o senador Jaques Wagner à sucessão de Rui Costa e Otto Alencar (PSD) deve concor...

'Política é para ser feita com a guerra de argumentos', diz Wagner
Política

'Política é para ser feita com a guerra de argumentos', diz Wagner

Em Itamaraju, acompanhando o governador Rui Costa, senador cita uma dívida da União de R$ 500 milhões e cri...

Vídeo

Persistência: vendedor de água mineral passa em concurso da PM Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta sexta-feira 26.11:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram