Acorda Cidade - Dilton Coutinho

27 de Outubro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Artigos e Crônicas

Todas as notícias
Publicado em 07/05/2021 15h58.

A escrita afetuosa cria empatia e aumenta conexões

Mulheres contam como suas experiências com a escrita lhe fizeram bem
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
A escrita afetuosa cria empatia e aumenta conexões
Foto: Divulgação

Agência Educa Mais Brasil

Sensíveis, com histórias e lutas diferentes, Joice Melo e Ana Holanda estão conectadas pela mesma forma de se comunicar e, assim, conseguem conversar com muitas outras pessoas que também se atraem pelo mesmo propósito. É por meio da palavra, que ganha forma e alcance, que elas tocam as pessoas: a escrita é o instrumento que orquestra essa rede de comunicação e afeto.

Diversão. Liberdade. Sentimento. Esses são alguns dos ingredientes que Ana Holanda incrementa à sua receita de sucesso ao escrever novas histórias através da escrita afetuosa. Ela usa com maestria as palavras para contar suas memórias no livro “Minha mãe fazia: Crônicas e receitas saborosas e cheias de afeto.

Formada em Jornalismo e com mais de 25 anos de carreira, Ana é apaixonada pelas palavras. Aprendeu a escrever com técnica e reaprendeu a escrever, dessa vez, com o coração. O resultado? Dois livros publicados, muitos workshops, cursos, mentorias e vidas tocadas pelo novo caminho profissional que vem trilhando.

Foto: Nuno Henrique

Hoje, Ana Holanda é conhecida por encorajar quem deseja se expressar através da escrita afetuosa, aquela que “mora no outro e toca-o, em uma perspectiva humana, sobretudo, por uma escrita humana”, como define. Autora do livro “Como Se Encontrar Na Escrita – O Caminho Para Despertar A Escrita Afetuosa Em Você”, Ana acredita que todo mundo é capaz de escrever de forma afetuosa, até mesmo quem não trabalha com a escrita.

“Teve uma época em que escrevia os textos sempre do mesmo jeito. Era a minha fórmula de sucesso. Eu sabia que ia agradar e aquilo se tornou um território seguro. Até que, um dia, cansei de fazer do mesmo jeito. Queria ir além, me desafiar. Junto, veio o medo: e se meu texto não agradasse? Guardei meus receios no bolso, para que ficassem quietinhos ali. E escrevi, experimentei rotas e formatos diferentes. E foi tão bom fazer isso. Divertido. Libertador”, compartilhou a Ana em uma publicação no seu Instagram.

A escrita conecta Ana à Joice, ainda que elas não se conheçam. Joice Melo, 32, é mãe do Juan, de 10 anos, e encontrou nas palavras uma forma de se comunicar com outras mulheres que enfrentam os desafios diários da maternidade e que, assim como ela, sentiam falta de uma rede de apoio. Essa história começou há quatro anos e tem diversos personagens. A Joice, que possui formação em Letras, criou o grupo “Mães que Escrevem”, que virou uma revista e já veiculou mais de 600 textos voltados para a maternagem.

“Eu sou uma pessoa que ama escrever, trabalho com isso e tenho a escrita como uma ferramenta terapêutica. Senti que nos textos que escrevia, algumas mulheres se identificavam e trouxe essa prática para a revista”, explica a idealizadora.

Foto: Arquivo Pessoal

Ela viu na escrita um caminho para aliviar tensões da maternidade e, ainda, criar conexões com outras mães. “Uma mulher falar sobre seu dia a dia como mãe pode ajudá-la a entender melhor o que acontece consigo mesma, fora que outras mães, lendo os textos, também podem se identificar com a pauta trazida”, destaca Joice.

Mães que escrevem e relatam seus percalços na maternidade; filha que escreve abrindo seus sentimentos – e a porta da cozinha – para compartilhar lembranças afetivas que vão muito além das deliciosas receitas culinárias da mãe: entre linhas e entre laços, a escrita ainda é uma das melhores formas de expressão capazes de dar poder a quem escreve, estabelecer empatia e criar conexões.

A escrita também é uma forma de terapia. O psicólogo Iaroldi Bezerra explica: “É uma poderosa ferramenta de cura. Diante de um papel em branco, muitas vezes a gente consegue revelar o que é secreto até para nós mesmos. Acessamos camadas mais profundas e temos a oportunidade de perceber e trabalhar as dores da alma”.

Esse assunto é tema de live na qual a escritora Ana Holanda é uma das participantes. O poder terapêutico da Escrita Afetuosa será tema do encontro on-line, aberto ao público, transmitido no instagram @iarodibezerra, neste sábado (08), às 18h.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

25 de Julho: Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha
Artigo

25 de Julho: Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha

Conforme dados do IBGE, 54% da população brasileira se identifica como negra.

São João é bom demais
Artigos e crônicas

São João é bom demais

Uma festa ver as cobrinhas correrem atrás da gente, soltar os vulcões e chuveirinhos.

Das coisas que aprendi nos discos: Especial Clube dos 27 -  Amy Winehouse, 1983/2011
Música

Das coisas que aprendi nos discos: Especial Clube dos 27 - Amy Winehouse, 1983/2011

Quanto jovem, Amy Jade Winehouse (nascida em Londres em 14 de setembro de 1983), já cantava em corais, filarm...

Vídeo

Após manifestação, trânsito fica congestionado no centro de Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta terça-feira 26.10:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram