Acorda Cidade - Dilton Coutinho

25 de Setembro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Cultura

Todas as notícias
Publicado em 18/03/2021 14h39.

II Feira Literária de Canudos acontece de 8 a 10 de abril, com apoio Governo do Estado, via Lei Aldir Blanc

Com atividades que contemplam públicos de todas as idades, a Flican tem ainda, entre outros convidados, os jornalistas Xico Sá e Franklin Martins, os escritores Aleilton Fonseca, Franklin Carvalho e Marcelino Freire, o poeta Bráulio Tavares e os diretores teatrais Paulo Dourado e José Celso Martinez, criador do lendário Teatro Oficina.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

Acorda Cidade

A segunda edição da Feira Literária de Canudos (Flican) será realizada de 8 a 10 de abril, de forma virtual, reunindo escritores, pesquisadores, contadores de histórias, músicos e artistas para discutir temas diversos, permeados pelo universo do sertão real e mítico de Antônio Conselheiro. Com atividades que contemplam públicos de todas as idades, a Flican tem ainda, entre outros convidados, os jornalistas Xico Sá e Franklin Martins, os escritores Aleilton Fonseca, Franklin Carvalho e Marcelino Freire, o poeta Bráulio Tavares e os diretores teatrais Paulo Dourado e José Celso Martinez, criador do lendário Teatro Oficina. Entre as atrações musicais estão Targino Gondim, Gereba, Fábio Paes, Roze, a Orquestra Sisaleira de Conceição de Coité e Bião de Canudos.

Durante a II Flican, que é uma realização da Dona Edite Comunicação Integrada, acontecerão palestras, debates, vídeos documentários, exposições e performances artísticas. O modo virtual será potencializado com as redes sociais e recursos tecnológicos avançados, instalações qualificadas e expertises acadêmicas para recolocar na pauta da literatura e da história o simbolismo universal da Guerra de Canudos.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

A Flican contará com infraestrutura e apoios da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Prefeitura de Canudos e órgãos públicos relacionados e o Instituto Popular Memorial de Canudos (IPMC). Nesta edição, a Flican foi viabilizada por meio do Edital Aldir Blanc, via Fundação Pedro Calmon (FPC), vinculada à Secretaria de Cultura do Estado (Secult).

De acordo com o curador da feira, Luiz Paulo Neiva, a II Flican envolverá as cidades em seu entorno e, neste formato virtual, espera um alcance nacional dada a importância e a simbologia de Canudos para o país. Se configurará como um conjunto de atividades relacionadas ao conhecimento, à formação, ao apoio ao ensino básico, à produção e à difusão do livro e da literatura brasileira, baiana e regional, tendo como eixo mater de sua temática o sertão, Antônio Conselheiro e Canudos, visando à informação qualificada, ao desenvolvimento do intelecto e ao prazer da escrita e da leitura.

Outra atração da Flican são os esperados depoimentos memoriais de duas descendentes da população remanescente do antigo de Belo Monte e da Segunda Canudos, erguida sobre os escombros da cidade devastada pelas tropas federais: Dora Duru e Joselina Guerra, além de um ex-morador e estudioso do tema, o escritor Eldon Canário. A programação inclui ainda artistas e poetas de destaque na cultural local, como a Banda de Pífano de Canudos e José Américo Amorim. Toda a programação da feira poderá ser conferida, gratuitamente, pelo público no canal Youtube do Campus Avançado da Uneb em Canudos (www.youtube.com/channel/UCqhzm86LpAdRG0jqMBJ0nEQ) e pela Canudos TV.

Flicanzinha

Nas manhãs da sexta e do sábado (9 e 10/04), a Flicanzinha vai oferecer uma programação especial para o público infantojuvenil. As atividades envolvem contação de histórias, apresentação de cordel e de poesia, visita virtual ao Memorial Antonio Conselheiro e um relato primoroso, à cargo da Profa. Jocilene Valença Varjão, sobre a Aprendizagem e resistência em tempo de pandemia nas escolas do município, e outra sobre a mulher na vivência poética.

Abertura

Mantendo o tema central da primeira edição, O Sertão vai virar arte, a II Flican será iniciada às 14h do dia 8 (quinta-feira), com um Desfile Literário, seguido da performance Interpoéticas, com Vitória Luísa, Sertão Sol e Paloma Aleôncio. A primeira mesa tem início às 14h40, abordando o tema Assombros e Encantados no Imaginário Sertanejo. A mesa contará com a professora da Universidade do Sudoeste da Bahia (Uesb) Ester Figueiredo e os escritores Franklin Carvalho e Márcio Benjamin.

Ponto de alta relevância, às 16h acontece o lançamento do Selo Flican e a premiação do concurso literário voltado para a produção intelectual dos estudantes de Canudos, com a mediação do secretário municipal de Educação, Roberto Gama, quando serão premiados os melhores colocados. Os textos serão também publicados em livro, cujo projeto gráfico será lançado nessa oportunidade.

A abertura oficial terá início às 19h, com um concerto da celebrada Orquestra Sizaleira. A solenidade contará com a participação dos secretários estaduais da Cultura, Arany Santana, e da Educação, Jerônimo Rodrigues, além do presidente da Fundação Pedro Calmon, Zulu Araújo, do reitor da Uneb, José Bites de Carvalho e do prefeito municipal Jilson Cardoso, entre outros.

A conferência inaugural José Calasans, o demiurgo de Canudos será proferida pela professora emérita de teoria literária e literatura comparada da USP, Walnice Galvão, com mais de 42 livros publicados, uma das maiores estudiosas da obra de Euclides da Cunha e da história da luta de maior resistência do sertão brasileiro.

Homenageados

Esta edição homenageará a quatro personalidades pelas suas valiosas contribuições à preservação da memória e da história de Canudos: o professor José Calasans Brandão da Silva (1915-2015), o educador e jornalista Edivaldo Machado Boaventura (1933-2018), o artista plástico Trípoli Francisco Gaudenzi e o laureado fotógrafo Evandro Teixeira. José Calasans é considerado um dos maiores conhecedores da guerra de Canudos, entrevistou sobreviventes e descendentes do conflito e é autor de várias publicações, entre elas Cartografia de Canudos. Já Edivaldo Boaventura se destacou por incentivar e promover importantes iniciativas e conhecimentos relacionados à temática conselheirista-canudense, criando, quando secretário da educação do Estado, em 1986, o Parque Estadual de Canudos, tendo também publicado livro com o mesmo nome.

Trípoli Gaudenzi, artista plástico com sensibilidade invulgar, é autor da exposição Canudos Rediviva, que percorreu algumas capitais brasileiras e ultrapassou a fronteira do país para expor em Cuba, França e Alemanha, e publicou o livro Memorial de Canudos; parte da exposição estará exposta na II Flican, no recém-inaugurado Museu João de Régis.

Baiano de Irajuba, Evandro Teixeira iniciou em 1958 sua carreira no jornal O Diário de Notícias. Posteriormente, já no Rio de Janeiro, trabalhou no Diário da Noite, do grupo Diários Associados. Em 1963, ingressou no Jornal do Brasil. Em seu vasto currículo constam a cobertura de jogos olímpicos e copas do mundo. É autor dos livros Fotojornalismo (1983), Canudos 100 anos (1997) e 68 Destinos: Passeata dos 100 mil (2008). Suas fotografias enriquecem os acervos de museus do Brasil e do exterior, fazendo parte da mostra dos 40 mais importantes fotógrafos do mundo, ao lado de Henri Cartier Bresson, Marc Ribaud e Robert Capa, na Galeria da Leica, em Nova York. Ele e Sebastião Salgado foram os únicos brasileiros participantes

Programação Flican – 08 a 10 de abril de 2021

08/04 – QUINTA-FEIRA – Tarde

14h – Desfile Literário

14h30 – Interpoéticas com Vitória Luísa – Sertão Sol e Paloma Aleoncio

14h40 – Mesa 1: Assombros e Encantados no imaginário sertanejo
Ester Figueiredo, UESB (Mediadora)
Franklin Carvalho
Márcio Benjamin

16h – Selo FLICAN – Premiação: Concurso literário – A produção intelectual dos estudantes de
Canudos com Lançamento do projeto do livro: A resistência na palavra
Roberto Gama (Secretário Municipal de Educação de Canudos) – Mediador

17h30 – Encerramento da tarde

08/04 – QUINTA-FEIRA – Noite

19h – Concerto de Abertura com Orquestra Sizaleira (BA)

19h30 – Homenagem a: José Calasans; Edivaldo Boaventura; Evandro Teixeira e Tripolli
Gaudenzi

19h50 – Abertura Oficial:
Arani Santana – Secretária de Cultura da Bahia
Jerônimo Rodrigues – Secretário de Educação da Bahia
Zulu Araújo – Presidente da Fundação Pedro Calmon
José Bites de Carvalho – Reitor da UNEB
Jilson Cardoso – Prefeito de Canudos
Roberto Gama – Secretário Municipal de Canudos
Vanderlei Leite – Presidente do IPMC
Luiz Paulo Neiva – Curadoria da FLICAN

20h25 – Poesia de Antônio Barreto em homenagem a José Calasans

20h30 – Conferência Inaugural: José Calasans, o demiurgo de Canudos
Walnice Galvão (USP)

21h30 – Show Bião de Canudos

09/04 – SEXTA-FEIRA – Manhã

09h – Abertura

09h – A voz de Kaila Marcele (Canudos)

09h15 – Dona Durú (Canudos) – depoimento memorial

Flicanzinha

09h20 – Cordel Cantado: Mariane Bigio (PE)

09h50 – Zé Poeta – (Monte Santo)

10h – Visitando o Memorial Antônio Conselheiro

10h10 – Mesa 2: Aprendizagem e resistência em tempo de pandemia –
Superação e criatividade pedagógica nas escolas de Canudos
Josileide Varjão Valença –Secretaria Municipal de Educação

11h30 – Interpoéticas com Mariana Guimarães

11h40 – Encerramento da manhã

09/04 – SEXTA-FEIRA – Tarde

14h – Banda de Pífanos de Canudos – resistência e encantamento cultural

14h10 – Eldon Canário (BA) – depoimento memorial

14h15 – Mesa 3: Evocação de Canudos
Luiz Paulo Neiva, UNEB (Mediador)
Manoel Neto, CEEC/UNEB
Pedro Lima Vasconcelos (UFAL)
Floriza Sena (IPMC)
João Batista (Historiador)

15h30 – Cenário da guerra – Visitando o Parque Estadual de Canudos

15h50 – A força jovem da música em Canudos – Robertinho Kambalacho

16h – Interpoéticas com Ádila Madança;

16h10 – Mesa 4: Literatura, espaço, tempo e pandemia
Xico Sá (CE)
Marcelino Freire (PE)
Antônio Marinho (PE)

17h30 – Encerramento da tarde

09/04 – SEXTA-FEIRA – Noite

19h – Abertura Cultural: a poesia de Zé Américo (Canudos)

19h10 – Museu João de Régis – Com a palavra o Curador Edmilson Santana

19h20 – Museu João de Régis: Olhares e vertigens na memória
Flávio de Barros (por Sérgio Guerra),
Evandro Teixeira
Antônio Olavo

19h50 – Interpoéticas com Yasmin Rabelo e Pók Ribeiro – Coletivo Vozes – mulheres: além da
margens.

20h – Mesa 5: – Literatura, poesia e virtualidade
Cida Pedrosa (PE)
Emmanuel Mirdad (BA)
Maviael Melo (Mediador) (PE)

21h30 – Show de Encerramento com Targino Gondim e Renan Mendes

10/04 – SÁBADO – Manhã

09h – A voz de Isael – Sertao Francisco (Paulo Afonso)

09h10 – Joselina Guerra (Canudos) – depoimento memorial

Flicanzinha

09h15 – Rosa Griô e Sá Benidita (Contadoras de história)

09h50 – Antonio Barreto (BA)

10h20 – Mesa 6: Vozes guardadas: literatura de mulheres
Ilza Carla, poeta e escritora UNEB (Mediadora)
Erica Azevêdo, poeta
Clarissa Macêdo, poeta
Áquila Emanuelle, poeta

11h40 – Encerramento da manhã

10/04 – SÁBADO – Tarde

14h – Para abrir a tarde: Banda de Pífanos de Bendegó e Kaila Marcele (Canudos)

14h20 – Monólogo:Marcos Freitas (Cia de Teatro de Canudos)

14h40 – A vanguarda de editoras, livrarias e bibliotecas
Sandra Soares (Eduneb)
Geraldo Prado (Biblioteca de Paiaiá)
Flávia Goulart Roza (Edufba)
Cássio Marcílio (Edições Uesb)
Murillo Campos ( Editora UEFS)
Primo Maldonado (LDM)

15h40 – Visitando o Museu Manoel Travessa

15h50 – Visitando o Instituto Popular Memorial de Canudos

16h10 – Mesa 6: Lançamento de Livros
Aleilton Fonseca (mediação)
Walnice Galvão
Ádila Mandança
Sergio Siqueira
Pedro Vasconcelos
Ester Figueiredo
Sílvio Jessé

10/04 – SÁBADO – Noite

18h50 – Mesa 7: Entre arpejos e acordes: Uma leitura de O Capitão Jagunço
Profa. M. Neuma M. Paes, UNEB
Profa. Edil Silva Costa, UNEB

19h20 – Museu João de Régis – Olhares e vertigens na memória
Trípolli Gaudenzi
José Aras (Por Lina Aras)

19h40 – Mesa 8: Cancioneiro popular e poético de Canudos
Braúlio Tavares (poeta, PB)
Franklim Martins (Jornalista, RJ)
Josemar Martins Pinzoh (UNEB) – Mediador

20h30 – Mesa 9:“O Trabalho Criador de 100 Pessoas no Teat(r)o Oficina UzinaUzona de Os
Sertões de Euclides da Cunha in Canudos”
José Celso Martinez (Teatro Oficina, SP)
Paulo Dourado – Mediador (BA)

21h30 – Show de encerramento: Viva Canudos! Viva Antônio Conselheiro!
Fábio Paes (BA), Roze (BA) e Gereba (BA)

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Cultura

Rede de Museus da Uefs divulga resultado do Concurso de Cordel

Concurso reuniu poetas de diversos municípios baianos.

Dicas de Livro

Paulo Freire: 4 obras para conhecer o trabalho do educador

Disal convida leitores para uma viagem no tempo, na história, no trabalho e legado de um dos maiores nomes da...

Após acidente grave, morador da Matinha lança livro sobre história de superação na Flifs
Cultura

Após acidente grave, morador da Matinha lança livro sobre história de superação na Flifs

Em entrevista ao Acorda Cidade, Adenilton do Carmo Fernandez, que trabalha como repositor de supermercado, fal...

Vídeo

Moradores da Rua Tupinambá reclamam de buraqueira e falta de drenagem Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta sexta-feira 24.09:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram