Acorda Cidade - Dilton Coutinho

25 de Setembro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Saúde

Todas as notícias
Publicado em 18/03/2021 08h51.

Diretor do Hospital de Campanha afirma que leitos estão sempre lotados e medicamentos começam a faltar

Francisco contou que somente ontem (17), o Hospital de Campanha negou o pedido de nove leitos de UTI.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

Rachel Pinto

O diretor do Hospital de Campanha, o médico Francisco Mota, mais uma vez manifestou em entrevista ao Acorda Cidade, a sua preocupação com o aumento do número de infectados pela covid-19 no município, o cenário da superlotação de leitos e o desrespeito da população com as medidas restritivas.

Ele afirmou que o Hospital de Campanha está sempre cheio e há cerca de três semanas, os 18 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), estão sempre lotados. Diariamente o hospital recebe vários pedidos de vagas para pacientes e acaba por negá-los. Francisco contou ao Acorda Cidade que somente ontem (17), o Hospital de Campanha negou o pedido de nove leitos de UTI.

“Em Feira de Santana a gente ainda não tem colapso. A rede privada está super pressionada com pouquíssimas vagas. O Hospital de Campanha tem recebido também pedidos da rede privada. Mas as UPAs e policlínicas ainda têm dado conta. Quero lembrar que ainda tem ventilador e se necessário o paciente com covid pode ficar intubado nesses locais aguardando uma vaga. O Hospital de Campanha está com uma mobilidade pequena. Temos 44 leitos na enfermaria e a ocupação é de 35. Sempre tem algum doente que complica na enfermaria e tem necessidade de UTI, naturalmente vai ser prioridade para quem já está dentro do hospital. Nesse momento eu posso dizer que estou com pelo menos uma vaga na UTI. Tenho doente na enfermaria com indicação de vaga de UTI e não tem vaga agora”, relatou.

Ampliação dos leitos

O médico comentou sobre a ampliação de mais cinco leitos de UTI no hospital e de acordo com ele, a implantação destes leitos ainda não ocorreu, devido a algumas dificuldades como demora na chegada de aparelhos, como ventiladores e bombas de infusão. Ele acrescentou ainda que o hospital, assim como outras unidades de todo o Brasil, enfrenta também dificuldades com a compra de insumos, como medicamentos específicos para a intubação e pacientes .

“Aumenta o número de pacientes intubados, aumenta a gravidade dos casos. O consumo de medicamentos aumenta. Sedativos para fazer com que o paciente tenha o relaxamento muscular, para que se consiga passar a cânula para intubar o doente. Medicamento, como clexane, que é anticoagulante, que não é só para doente de covid, mas doente de covid consome muito. Está em falta no Brasil inteiro. A indústria farmacêutica já disse que o país está começando a ficar desabastecido. Vamos ter uma reunião para discutir essas mudanças de uso de medicação. A situação é realmente de guerra, do Brasil inteiro”, declarou.

O diretor do Hospital de Campanha voltou a salientar que a média de idade de pacientes internados na UTI é de pessoas com 50 anos de idade. De acordo com ele, esses pacientes apresentam quadros graves da doença e já chegaram à unidade outros pacientes em estado grave, com 30, 24 e até 22 anos de idade também.

Medidas restritivas e prevenção

O médico analisou também sobre os números de infectados que continuam crescendo mesmo com as medidas restritivas como lockdown e toque de recolher. Para ele, além do desrespeito da população às ações para conter a doença, houve um afrouxamento na fiscalização.

Francisco Mota declarou ainda que a situação é tão grave que infelizmente quando surge uma vaga na UTI, o hospital adota o protocolo que é usado em todo o mundo, que indica ter que escolher o paciente mais viável para sobreviver.

Leia também: É crítica a situação da Covid-19 em Feira de Santana, alertam especialistas
 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Laboratório Central detecta mais 58 amostras da variante Delta na Bahia
Saúde

Laboratório Central detecta mais 58 amostras da variante Delta na Bahia

O Lacen-BA já realizou cerca de 700 exames de sequenciamento genético do vírus da Covid-19.

Exposição excessiva de crianças em redes sociais pode causar danos
Saúde

Exposição excessiva de crianças em redes sociais pode causar danos

Pediatras alertam para os perigos desse hábito, o sharenting

Ministério da Saúde pede à Economia reforço na verba para santas casas
Saúde

Ministério da Saúde pede à Economia reforço na verba para santas casas

Governo pode editar crédito extraordinário

Vídeo

Moradores da Rua Tupinambá reclamam de buraqueira e falta de drenagem Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta sexta-feira 24.09:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram