Acorda Cidade - Dilton Coutinho

27 de Outubro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Variedades

Todas as notícias
Publicado em 26/02/2021 09h26.

BBB21: Brasil discute a rejeição, mas como lidamos com ela na vida real?

Conhecida como uma das mais dolorosas feridas emocionais, a dor da rejeição afeta a mesma área de uma dor física, segundo especialista.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
BBB21: Brasil discute a rejeição, mas como lidamos com ela na vida real?
Foto: Reprodução/TV Globo | A cantora Carol Conka deixou o BBB21 com 99,17% dos votos

Acorda Cidade

Brasileiros assistiram pela televisão, na última terça-feira (23), os maiores índices de rejeição da história do Big Brother Brasil, quando a cantora Carol Conka deixou o programa com 99,17% dos votos para eliminá-la do reality. Mas a rejeição, no sentido mais profundo da palavra, é uma das feridas emocionais mais perigosas que existem para um ser humano.

Na vida real, “pessoas que viveram ao longo da vida situações onde foram experimentadas várias construções de derrotas, isto é, críticas que foram afetando diretamente a autoestima da pessoa que sofreu através de bullying, críticas da família, no trabalho ou escola, a pessoa cresce insegura, desacreditada de si, de suas capacidades e do seu valor. É uma pessoa que sempre vai olhar a ação do outro como uma rejeição, quando muitas vezes não é”, explica a psicóloga Josiane Souza.

“O problema, muitas vezes, de estar se sentindo rejeitado, ´é nosso. Isso porque a gente sempre vai olhar pelo filtro da nossa ferida. Então você que se sentiu rejeitado, você vai olhar uma situação futura como rejeição. Por exemplo: se você não recebe um retorno de uma ligação, você recebe como rejeição. Outro exemplo: você está num ambiente onde está olhando para alguém e não teve retorno do olhar, recebe como rejeição. Você liga para um amigo e ele diz que não pode sair, você recebe como rejeição. Uma pessoa que não elogiou em determinado momento, você sempre vai interpretar situações com o filtro da ferida vendo rejeição quando muitas vezes não tem”, diz Josiane.

Mas como se libertar dessa, que é uma das piores feridas emocionais que existem e que é recebida pelo cérebro como a dor de uma queimadura, segundo cientistas? Josiane responde.

“É importante elaborar, compreender por que que você sempre olha rejeição quando muitas vezes não tem, sempre é esse sentimento presente e de onde isso vem. É importante analisar a sua história de vida. Porque de fato ninguém pode nos humilhar sem o nosso próprio consentimento. Você jamais é rejeitado até que você se sinta rejeitado. E se você tem um diálogo assertivo e entende um comportamento do outro, muitas vezes você vai se surpreender quando tem rejeição e quando não tem. É muito importante separar o que foi vivido, daquilo que você vive hoje e das interpretações que você faz diante do comportamento do outro. A rejeição é algo que a gente cria sobre o que de fato o outro faz com a gente”, afirma a psicóloga, que também é escritora de quatro livros e palestrante.

Ela atua na abordagem da psicanálise lacaniana, abordando assuntos que tratam o relacionamento abusivo e incentivando vítimas a deixarem o ciclo da violência. 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Especialista alerta para importância de cuidar da criança interior
Comportamento

Especialista alerta para importância de cuidar da criança interior

Segundo a psicóloga Bianca Reis, 'a criança interior é aquela que vive dentro de todos nós. Ela não é ap...

Dia Internacional do Idoso: aos 83 anos, aposentada produz doces para continuar na ativa
Empreendedorismo feminino

Dia Internacional do Idoso: aos 83 anos, aposentada produz doces para continuar na ativa

Para Lina Orrico, 'aposentadoria não é nenhum motivo pra ninguém ficar dentro de casa'.

Rosas do deserto ganham popularidade nos lares brasileiros
Primavera

Rosas do deserto ganham popularidade nos lares brasileiros

Primavera é ótimo momento para cultivar plantas que necessitam de iluminação direta.

Vídeo

Após manifestação, trânsito fica congestionado no centro de Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta terça-feira 26.10:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram