Acorda Cidade - Dilton Coutinho

27 de Janeiro de 2022
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Artigos e Crônicas

Todas as notícias
Publicado em 06/02/2021 12h42.

Das coisas que aprendi nos discos: Pink Floyd, 1979

Em 30 de Novembro de 1979, esse muro foi literalmente construído com o lançamento do album duplo The Wall (O Muro): O décimo primeiro álbum do Pink Floyd e a Ópera Rock mais famosa do mundo.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Das coisas que aprendi nos discos: Pink Floyd, 1979
Foto: Arquivo Pessoal

Por Carlos H. Kruschewsky*.

"All in all you're just another brick in the wall".

Enquanto realizava um show da Turnê In the Flesh Tour, Roger Waters (baixista e principal compositor do Pink Floyd) cuspiu na cara de um fã, que gritava desesperadamente para que eles tocassem uma música antiga do Disco The Dark Side of the Moon. No fim do show, Roger, revoltado, disse que gostaria de construir um muro entre eles e a plateia.

Em 30 de Novembro de 1979, esse muro foi literalmente construído com o lançamento do album duplo The Wall (O Muro): O décimo primeiro álbum do Pink Floyd e a Ópera Rock mais famosa do mundo. Em suas 26 faixas, o Pink Floyd trata, nesse disco inteiramente conceitual, sobre abandono, isolamento social, controle, modelo disfuncional de educação, guerra, fascismo e todo um contexto pessoal a respeito de Eric Flatcher Waters ter morrido prematuramente (numa batalha na Itália contra o a invasão do exército alemão na Segunda Guerra) deixando seu filho, de 5 meses, órfão (o próprio Roger Waters).

Um disco tão icônico que até quem não gosta de Pink Floyd se arrisca a cantar "We don't need no education...". Esta obra prima do Rock ganhou suas turnês com direito a construção de um muro no palco, tijolo por tijolo, até ser demolido em "The Trial" (penúltima faixa do disco) e, em 1982, um filme maravilhoso de mesmo nome..

Melhores Faixas:

•Another brick in the wall part 2

•Nobody Home

•Comfortably Numb

*Carlos H. Kruschewsky é psicólogo, psicanalista, presidente do Dragornia Moto Club, BeerSommelier, Homebrewer, sócio da Dragornia Cervejaria e Colecionador de Discos. Instagram: @sr.ck @dragornia

Todos os textos da série “Das coisas que aprendi nos discos” são encontrados na editoria Artigos e Crônicas

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

A evolução da Netflix é uma aula de marketing
Artigo

A evolução da Netflix é uma aula de marketing

Em sete anos, a Netflix expandiu seu negócio para 197 países.

25 de Julho: Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha
Artigo

25 de Julho: Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha

Conforme dados do IBGE, 54% da população brasileira se identifica como negra.

São João é bom demais
Artigos e crônicas

São João é bom demais

Uma festa ver as cobrinhas correrem atrás da gente, soltar os vulcões e chuveirinhos.

Vídeo

Covid-19: com poucos funcionários, drive-thru da prefeitura gera longas filas na Ayrton Sena Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta quinta-feira 27.01.22:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram