Acorda Cidade - Dilton Coutinho

18 de Janeiro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Economia

Todas as notícias
Publicado em 12/01/2021 11h17.

Crea-BA diz que fechamento da Ford vai gerar prejuízos incalculáveis

De acordo com a empresa, a pandemia do novo coronavírus e perdas de crises anteriores foram os motivos que levaram a multinacional a tomar a decisão pelo fechamento das fábricas na Bahia, São Paulo e Ceará.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

Acorda Cidade

O fechamento da fábrica da Ford , anunciado nesta segunda-feira (11), trará aumento de desemprego para o Brasil, e agravará a situação da Bahia, onde a montadora possui fábrica na cidade de Camaçari. De acordo com a empresa, a pandemia do novo coronavírus e perdas de crises anteriores foram os motivos que levaram a multinacional a tomar a decisão pelo fechamento das fábricas na Bahia, São Paulo e Ceará.

A Ford recebeu cerca de 20 bilhões de dólares no Brasil em incentivos fiscais desde 1999. “Pediu isenção fiscal e prometeu gerar empregos. A crise chega e simplesmente avisa o fechamento, sem compromisso com o país, com a Bahia”, afirma o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (Crea-BA), eng. agrimensor Joseval Carqueija.

O fechamento trará grandes prejuízos para o Estado, em um momento que a engenharia já enfrenta perdas em diversos segmentos. “É preocupante, pois já estamos sofrendo com perda de postos de trabalho, profissionais sem perspectivas de emprego. Enquanto estamos pensando em ampliar e buscar alternativas para geração de emprego e renda para a Bahia, somos surpreendidos com o fechamento de uma fábrica que emprega tantos profissionais”, pondera o presidente.

Carqueija destaca ainda que a Ford gera atividades econômicas, desde emprego aos profissionais das engenharias a fornecedores, prestadores de serviço, além de empresas que dão suporte a operação. São cerca de cinco mil pessoas que atuam em todo Brasil, “é um prejuízo incalculável”, afirma.

O presidente, que tomou posse no Crea-BA no último dia 04 de janeiro, já havia sinalizado que a gestão atual trabalharia junto aos legisladores tanto no âmbito estadual, quanto em Brasília, para defender a soberania da engenharia, “agora, mais do que nunca, é urgente pensarmos em soluções para gerarmos emprego para os nossos profissionais. É necessário o envolvimento de todos neste processo”.

Ele finaliza afirmando que, “enquanto o país não tiver tecnologia de ponta para ser competitivo na indústria automática, sofrerá com a falta de soberania”.  

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Pagamento de indenizações do Dpvat passa a ser feito pela Caixa
Brasil

Pagamento de indenizações do Dpvat passa a ser feito pela Caixa

A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Indústrias vão investir R$ 10 milhões em Feira de Santana e Brumado
Bahia

Indústrias vão investir R$ 10 milhões em Feira de Santana e Brumado

A empresa MSR pretende fabricar chapas diversas, telas metálicas, estruturas metálicas, reservatórios e tan...

PIX: com grande aceitação do público, moeda pode parar de circular no mercado, afirma economista
Dinheiro virtual

PIX: com grande aceitação do público, moeda pode parar de circular no mercado, afirma economista

Depois da chegada do cartão de crédito e débito, a utilização do PIX pode fazer com que a moeda pare de c...

Vídeo

Incêndio destrói dois ônibus da banda Os Clones em Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram