Acorda Cidade - Dilton Coutinho

31 de Outubro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Educação

Todas as notícias
Publicado em 15/10/2020 11h59.

Professoras relatam desafios e aprendizados durante a rotina das aulas remotas

Para a professora Daiane Almeida, as novas tecnologias foram fundamentais para a realização das aulas remotas e garantiram que a educação não parasse diante da pandemia da covid-19.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Professoras relatam desafios e aprendizados durante a rotina das aulas remotas
Foto: Divulgação

Ney Silva e Rachel Pinto

Dentre as tantas mudanças sociais provocadas pela pandemia da covid-19, estão as aulas que passaram a ser remotas. Neste Dia do Professor, o Acorda Cidade apresenta uma reportagem especial sobre os desafios que estes profissionais têm enfrentado nesta nova realidade e parabeniza também toda a categoria que é tão importante para a formação de todas as outras profissões.

Daiane Almeida, que é professora da rede pública e privada em Feira de Santana, contou ao Acorda Cidade o que tem feito para corresponder às necessidades dos alunos e como tem se sentido neste novo cenário.

De acordo com ela, o professor hoje precisou se reinventar, principalmente o professor de educação básica, porque é nesta fase da educação, que é preciso um processo de aprendizado focado no presencial. Na opinião dela, o maior desafio para os professores, foi a adaptação ao uso das novas tecnologias. Além disso, o próprio relacionamento com os alunos no ambiente virtual.

Foto: Arquivo Pessoal | Professora Daiane Almeida

“É um novo ambiente que é mediado por diversas plataformas que a gente tem à disposição hoje que estão servindo de espaço de sala de aula. Então a gente tem que aprender a utilizar essas tecnologias, tem que aprender a adaptar os conteúdos, adaptar a metodologia, a abordagem para essas plataformas e criar mecanismos para que chamem a atenção do aluno para participar e interagir nesse novo espaço. Essa nova modalidade precisa contar com a participação ativa da família para que dê certo”, observou.

A professora comentou também que embora o uso das novas tecnologias tenha trazido novos desafios, elas foram fundamentais para a realização das aulas remotas e garantiram que a educação não parasse diante da pandemia da covid-19. Os professores além de dar as aulas online, se tornaram produtores de conteúdos digitais.

“O professor surgiu como editor, como alguém que tem que estar dominando não só a plataforma, mas a edição de vídeo, alguém que está dando aula hoje, mas não tem como seu interlocutor apenas o aluno. A família acaba de certa forma presenciando as aulas, isso é muito bom. A criança não está sozinha em casa e é uma série de coisas novas que vem para desafiar o profissional da educação”, acrescentou.

Aprendizados

Daiane Almeida afirmou que o contexto atual trouxe a lição de que além de ensinar, os professores também têm muitas coisas a aprender. Trouxe momentos de troca entre os profissionais e os alunos e a oportunidade para que juntos possam se reinventar. Os alunos aprendem os conteúdos com os professores e os professores, aprendem com seus alunos, como por exemplo, mexer nas ferramentas de comunicação.

“O nosso aluno é jovem e antenado com as tecnologias ele também nos auxilia em alguns momentos. Acaba sendo uma troca e um novo momento para aprender coisas novas, nos reinventar, enquanto profissionais”, salientou.

Impactos com a mudança de rotina

A pandemia da covid-19 trouxe também fortes impactos com a mudança da rotina da população, mudanças de comportamentos, além do clima de apreensão com relação á contaminação pelo vírus. Com os professores, não foi diferente. Daiane relatou que as mudanças, além de desafiantes, tornaram o cotidiano do professor ainda mais cheio de atividades.

“Entraram coisas novas, como a edição do vídeo, a gravação do vídeo, a montagem dos slides. E, aquilo que não era muito próprio da nossa rotina acabou nos tomando um novo tempo, mais uma parte do nosso tempo que é dedicada a esse processo de produção desses conteúdos para as aulas. A mensagem que eu digo para os professores é que precisamos ser fortes e estar fortes para manter a nossa mente sã, buscar novos aprendizados e fazer com que todo esse trabalho se reverta em conhecimento para os nossos alunos, de fato. Eu parabenizo todos os meus colegas professores que estão nessa batalha e estão dividindo as angústias e os avanços com esse novo momento”, concluiu.

Recesso de dez dias

O Sindicato das Escolas Particulares de Feira de Santana determinou um recesso de dez dias para as atividades escolares. A professora Everilda Sampaio, que é diretora de uma escola particular da cidade, frisou que a decisão do recesso no mês de outubro, foi em virtude do desgaste causado pela pandemia tanto nos alunos, como nos profissionais da área de educação.

Foto: Arquivo Pessoal | Professora Everilda Sampaio, diretora de uma escola particular

“O recesso foi necessário porque os professores e alunos, familiares, principalmente, sofrem um desgaste maior nesse modelo remoto. Entre os sindicatos foi feito um acordo em dividir o recesso do meio do ano em duas partes e isso favoreceu o descanso dos professores, dos alunos, uma vez que esse modelo remoto, traz um desgaste físico e emocional maior. Então foi por isso que nós optamos, os sindicatos optaram em dividir o recesso em duas partes”, explicou.

A professora também parabenizou a todos os colegas pela passagem do dia 15 de outubro e frisou sobre a capacidade da categoria em encarar e superar todos os desafios impostos pelo ano de 2020. 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

EAD: o número de matrículas para a modalidade cresceu 378,9% nos últimos 10 anos
Educação

EAD: o número de matrículas para a modalidade cresceu 378,9% nos últimos 10 anos

Em contrapartida, o índice de ingressantes em graduações presenciais ampliou apenas 17,8%

Cursos de graduação da Rede UniFTC recebem quatro estrelas na avaliação do Guia da Faculdade
Educação

Cursos de graduação da Rede UniFTC recebem quatro estrelas na avaliação do Guia da Faculdade

Pesquisa é realizada pela empresa paulista Quero Educação em parceria com o Jornal Estadão.

Retomada de aulas presenciais na Uefs ainda não tem data definida
Uefs

Retomada de aulas presenciais na Uefs ainda não tem data definida

Atendendo as medidas de distanciamento social e as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), a...

Vídeo

Chefe da Zona Eleitoral 156 do Tribunal Regional Eleitoral, orienta eleitores para o dia da votação Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram