Acorda Cidade - Dilton Coutinho

23 de Outubro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Feira de Santana

Todas as notícias
Publicado em 18/09/2020 08h20.

Da Estrada Real às lagoas: Secretaria do Meio Ambiente resgata o surgimento de Feira

Resgatando as memórias do passado, o chefe do Departamento de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), João Dias, destaca o papel essencial dos recursos hídricos como fator fundamental para o surgimento da cidade.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Da Estrada Real às lagoas: Secretaria do Meio Ambiente resgata o surgimento de Feira
Foto: Secom

Acorda Cidade

A cidade batizada pelos tropeiros, boiadeiros e viajantes como "Santana dos Olhos D'água" - Feira de Santana - em referência a grande quantidade de lagoas existentes, completa 187 anos de emancipação político-administrativa, nesta sexta-feira, 18 de setembro.

Resgatando as memórias do passado, o chefe do Departamento de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), João Dias, destaca o papel essencial dos recursos hídricos como fator fundamental para o surgimento da cidade.

Ele ressalta que a fazenda adquirida por Domingos Barbosa de Araújo e Ana Brandoa possuia cerca dez lagoas, próximo ao trecho da Estrada Real do Gado, que ligava a cidade de Cachoeira, passando por Feira de Santana até Pernambuco.

"Feira sempre foi uma cidade pujante. E seu crescimento tem forte relação com os corpos hídricos. Vale destacar que muitos historiadores afirmam que as águas dos rios Jacuípe e Pojuca foram fundamentais para o desenvolvimento da cidade", relata João Dias.

Lagoas vivas

Ainda conforme o chefe de Educação Ambiental, Feira de Santana possuía 120 lagoas. Destas restaram 60, segundo levantamento da Semmam. "Muitas delas foram ocupadas com a urbanização e construções ilegais. A ausência do sentimento de pertencimento, de cuidar do meio ambiente faz com que as pessoas destruam os recursos hídricos", observa.

João Dias salienta que é preciso consultar o poder público para saber se área é de proteção permanente ou ambiental. "A Lagoa da Pedreira possui 16 casas dentro, enquanto a Lagoa do Prato Raso tem cerca de 200 casas", lamenta.

Explica que as construções irregulares destroem os ecossistemas, fator principal para o desenvolvimento de constantes surtos e epidemias de arboviroses no município. "É triste afirmar, mas por causa de problemas ambientais Feira de Santana convive com epidemias constantes de arboviroses. É preciso ter consciência e reconhecer que aquele espaço também é seu", pontua.

As informações são da Secretaria Municipal de Comunicação 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Mãe tenta conseguir internamento para o filho que sofre com surtos psicóticos
Apelo

Mãe tenta conseguir internamento para o filho que sofre com surtos psicóticos

O jovem fica muito agressivo e a mãe relata que ele causa riscos à própria vida e também de outras pessoas...

Suporte psicológico virtual acompanhou 379 pessoas em quatro meses
Pandemia

Suporte psicológico virtual acompanhou 379 pessoas em quatro meses

O serviço não é exclusivo para pacientes acometidos pela vovid-19, mas para toda população.

Vídeo

Entrevista com a candidata a prefeita de Feira de Santana, Marcela Prest (PSOL) Veja mais Vídeos ›

Podcast

Entrevista com a candidata a prefeita de Feira de Santana, Marcela Prest (PSOL)
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram