Acorda Cidade - Dilton Coutinho

30 de Outubro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Feira de Santana

Todas as notícias
Publicado em 16/09/2020 09h00.

Órgão do Governo do Estado compara centro de Feira de Santana com favela

No Poder Judiciário tramita uma ação, de iniciativa do Ministério Público Estadual, solicitando a retirada de comércio informal no centro da cidade.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Órgão do Governo do Estado compara centro de Feira de Santana com favela
Foto: Izinaldo Barreto

Acorda Cidade

Uma análise técnica feita pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), órgão do Governo do Estado, na gestão do governador Jacques Wagner, apontou como ilegal a existência de comércio informal em áreas onde existem bens históricos e tombados. Em um trecho, a análise do IPAC chega a comparar o centro de Feira de Santana com uma favela.

“Está aí uma prova contundente de que a relocação do comércio ambulante para o centro comercial popular não é uma perseguição da Prefeitura. Ela se baseia também nessa análise técnica do IPAC, que faz parte do inquérito civil aberto pelo Ministério Público, que resultou numa ação judicial contra o Governo Municipal”, argumenta o secretário de Desenvolvimento Econômico, Antônio Carlos Borges Junior.

A pedido do Ministério Público, que instaurou um inquérito civil sobre a ocupação do centro pelo comércio ambulante, o arquiteto Adolfo Roriz encaminhou a análise ao MP em 5 de julho de 2008. Segundo o documento, o decreto 10.039, de 30 de julho de 2006, também do Governo do Estado, proíbe a existência de camelôs e barracas em volta de bens tombados.

Em um trecho da análise técnica, Adolfo Roriz chega a destacar que a “construção de barracas fixas, de péssima qualidade, coberturas improvisadas, nos dão a impressão de que estamos visualizando uma pequena favela”.

O arquiteto destaca o artigo 15 do decreto, segundo o qual “na vizinhança do bem tombado não poderão ser efetuadas intervenções que lhe prejudiquem a visibilidade, tirando o valor histórico ou a beleza original da obra ou do sítio protegido”.

Entre os bens tombados no centro, a análise lista o coreto da praça Bernardino Bahia, o coreto da praça Fróes da Mota, a Capela de Nossa Senhora dos Remédios e o prédio do Arquivo Público Municipal, entre outros.

Já no Poder Judiciário tramita uma ação, de iniciativa do Ministério Público Estadual, solicitando a retirada de comércio informal no centro da cidade. A ação se baseia na Constituição Federal, no Código Civil, no Estatuto da Cidade e no Plano Nacional de Mobilidade Urbana.      

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Santa Casa divulga protocolo para visita ao Cemitério Piedade no Dia de Finados
Dia de Finados

Santa Casa divulga protocolo para visita ao Cemitério Piedade no Dia de Finados

Este ano não haverá missa no cemitério e os fiéis devem consultar a programação da paróquia do seu bair...

Caged: Feira de Santana tem saldo positivo de 1.679 novos postos de trabalho em Setembro
Feira de Santana

Caged: Feira de Santana tem saldo positivo de 1.679 novos postos de trabalho em Setembro

O setor que mais contratou foi o de serviços.

Vigilantes que prestam serviços a Embasa paralisam as atividades nesta sexta-feira (30)
Feira de Santana

Vigilantes que prestam serviços a Embasa paralisam as atividades nesta sexta-feira (30)

Os trabalhadores estão há 60 dias com os salários atrasados.

Vídeo

Chefe da Zona Eleitoral 156 do Tribunal Regional Eleitoral, orienta eleitores para o dia da votação Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram