Acorda Cidade - Dilton Coutinho

21 de Setembro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Educação

Todas as notícias
Publicado em 14/09/2020 11h24.

Professores acampam em frente a Secretaria de Educação e pedem calendário de devolução de salários

No dia 3 de setembro, o sindicato se reuniu com a secretaria de educação e ficou definido que o governo pagaria os salários e divulgaria um calendário de devolução.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Professores acampam em frente a Secretaria de Educação e pedem calendário de devolução de salários
Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Rachel Pinto

Os professores da rede municipal de ensino estão acampados nesta segunda-feira (14) em frente a Secretaria Municipal de Educação (Seduc), na Avenida Senhor dos Passos em Feira de Santana. De acordo com Marlede Oliveira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (APLB), a a categoria quer que a prefeitura apresente um calendário para a devolução dos salários que foram cortados. O corte de salários corresponde aos meses de abril, maio, junho e agosto. O mês de julho, os professores conseguiram receber mediante ação juducial.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

No dia 3 de setembro, o sindicato se reuniu com a secretaria de educação e ficou definido que o governo pagaria os salários e divulgaria um calendário de devolução. Marlede Oliveira, destacou que desde então o calendário não foi divulgado. Houve a mudança de secretário, Marcelo Neves saiu da pasta e Justiniano França assumiu o cargo e e até o momento não há nenhuma posição sobre o pagamento.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

“Todos têm acompanhado essa luta da categoria pela devolução dos salários. Na semana passada foi entregue um documento por parte do governo a gente, dizendo que ia devolver o salário e que iria suspender o corte. Que iria ter um calendário de devolução. Justiniano França entrou na pasta, nos recebeu na última quarta-feira (9) a tarde, disse que ia ter uma conversa com o prefeito e que na quinta-feira ou sexta-feira de manhã daria uma resposta. Não deu uma resposta. Ontem ele me ligou para dizer que não consegue conversar com o prefeito e que não tem resposta para a categoria. A gente vai acampar aqui. Os professores estão indignados com que o governo está fazendo. Estamos aguardando que abram os portões para a gente entrar na secretaria. Se o secretário não consegue falar com o prefeito para dar uma resposta a gente, quem é que vai conseguir? Trouxemos toldo, cadeiras e vamos aguardar uma resposta do governo sobre a devolução dos salários”, frisou.

O que diz a prefeitura:

A prefeitura informou que não houve corte de salários dos professores e que a situação está sob judice.


Não houve corte de salários dos professores. Aqueles que estão com vencimentos menores desde o início da pandemia cumpriam horários extras de classe e, como não há aulas neste período, a Administração Municipal entende que não pode efetuar o pagamento apenas desses proventos.

Em recente decisão, publicada no último dia 21 de agosto, o Tribunal de Justiça derrubou a liminar que obrigava o pagamento das horas extras e também do deslocamento – vantagem aplicada apenas aos professores que atuam na zona rural. A decisão do TJBA considera o risco de grave lesão à ordem e à economia públicas.

Com o pagamento, a Prefeitura teria um custo mensal de R$ 2.476.769,69 (dois milhões e quatrocentos e setenta e seis mil e setecentos e sessenta e nove reais e sessenta e nove centavos). No entendimento da Procuradoria do município, “a situação apresenta a potencial possiblidade de violar a ordem econômica municipal, o que pode ser comprovado facilmente nos relatórios de gastos referentes às gratificações de aulas extraordinárias e adicionais de deslocamento”.

O procurador do município, Carlos Alberto Moura Pinho, esclarece que “a questão está sub judice e, portanto, a Prefeitura de Feira de Santana aguarda a decisão do mérito da ação pelo próprio Tribunal de Justiça que anteriormente determinou a suspensão de limitar que, por sua vez, obrigava a Prefeitura a efetuar o pagamento”.

O secretário de Educação, Justiniano França, destaca que o governo municipal continua considerando prioridade o diálogo com os professores, mas vê com preocupação as medidas radicais adotadas por uma parte do grupo. Neste exato momento (14:00), o secretário se reúne com uma comissão de professores.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Com informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade.

Leia também

Governo municipal propõe devolução de salários e gratificações dos professores

 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Secretaria da Educação do Estado oferta 10 mil vagas para curso de formação sobre ensino híbrido
Educação

Secretaria da Educação do Estado oferta 10 mil vagas para curso de formação sobre ensino híbrido

O curso é uma parceria com a Fundação Lemann e a Sincroniza Educação e tem o objetivo de aprimorar as est...

Inspiração: idosa supera limites e conquista diploma aos 69 anos
Educação

Inspiração: idosa supera limites e conquista diploma aos 69 anos

Por conta da pandemia, formatura foi a distancia

Crianças celebram 187 anos de Feira de Santana em coral virtual
Aniversário da cidade

Crianças celebram 187 anos de Feira de Santana em coral virtual

Mais de 100 estudantes participaram do coral virtual no qual cantam o hino à cidade

Vídeo

Aprovados no concurso da Guarda Municipal realizam novo protesto nesta segunda-feira (21) Veja mais Vídeos ›

Podcast

Empresário diz que pessoas sairão de suas cidades para comprar no Shopping Popular
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram