Acorda Cidade - Dilton Coutinho

14 de Agosto de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Viagens

Todas as notícias
Publicado em 31/07/2020 16h28.

As viagens serão muito mais baratas após a pandemia?

Entenda o que influenciará o valor das passagens aéreas após o fim da pandemia.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
As viagens serão muito mais baratas após a pandemia?
Foto: Divulgação

Acorda Cidade

O turismo é um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. A fim de ter um faturamento mínimo durante a crise, atualmente, as companhias aéreas estão oferecendo promoções de passagens tentadoras.

Uma passagem para São Paulo, saindo de Vitória, por exemplo, pode ser encontrada por menos de R$ 150. No entanto, futuramente, essa baixa nos preços pode ser invertida.

Cenário atual

A companhia aérea Delta Air Lines bloqueou as poltronas da fileira do meio de suas aeronaves e limitou as cargas do voo devido ao distanciamento social. Dessa forma, somente 50% a 60% dos assentos disponíveis podem ser reservados. Outras empresas do setor, como Japan Airlines, Wizz Air, Emirates, American Airlines e United, adotaram estratégias de controle similares a estas.

Além disso, Estados Unidos, China, Alemanha e demais países que iniciaram a flexibilização da quarentena estão aderindo a medidas rigorosas de limpeza e restrições relacionadas aos serviços de bordo.

O Brasil já tem acompanhado algumas dessas medidas importantes. Os aviões da Gol e da Latam têm um sistema de recirculação de ar, que faz com que o oxigênio da aeronave seja renovado a cada três minutos. Os filtros utilizados são os HEPA (High Efficiency Particulate Air), que eliminam até 99,97% de todas as partículas.

Tendências futuras

Caso o bloqueio das poltronas da fileira do meio ou a limitação em relação ao número de passageiros a bordo continue sendo uma tendência no futuro, as companhias aéreas serão obrigadas a aumentar os valores das passagens para que seja possível repor o dinheiro perdido com os assentos que ficarão vagos. A tendência seguirá sendo a alta no custo das passagens a longo prazo.

Um exemplo que pode ser dado para explicar essa situação é a tragédia do atentado do 11 de setembro: de acordo com um levantamento realizado pela Dollar Flight Club, site que emite alertas sobre bilhetes aéreos, os valores tiveram uma redução de 18% em 2001, no entanto, posteriormente, em 2003, cresceram 25%. Além disso, o portal indica que o valor dos voos poderá ter uma redução de até 35% em 2021, mas, por outro lado, estará até 27% mais alto nos próximos 5 anos.

Ainda que haja especialistas prevendo que as companhias aéreas praticarão tarifas mais baratas a fim de tentar atrair os passageiros, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) emitiu um comunicado, estimando que o valor das passagens ficará até 54% mais caro em algumas localidades.

O motivo são as medidas de distanciamento social ― que resultam num menor número de poltronas disponíveis para a compra. Segundo a IATA, a redução da capacidade da carga máxima das aeronaves, gerada pelas atitudes preventivas, será de 62%.

O professor Jorge Leal Medeiros, da Universidade de São Paulo (USP), crê que o aumento no valor das passagens de companhias aéreas brasileiras não será tão evidente, devido ao risco de inviabilização total dos voos.

“O que deve ocorrer no Brasil é o surgimento de novas empresas aéreas de baixo custo, como era a Webjet e a Gol no seu início, que consigam voar com despesas reduzidas e sem cobrar tão caro pelas passagens”, prevê Jorge.

No entanto, o fato é que as passagens aéreas seguirão respondendo à questão da oferta e da demanda. Contudo, o aumento das vendas, gerado pelas promoções durante a crise, ou a obrigação de dar continuidade ao distanciamento social dentro das aeronaves estão agindo, ao menos, provisoriamente, como forças objetivadas a impulsionar os valores, respectivamente, para baixo ou para cima.
 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Turismo

Cultura e turismo de natureza motivaram mais de 60% das viagens de lazer em 2019

Parceria com IBGE revela dados importantes para conhecer o turismo nacional e contribuir para a retomada do se...

Bahia é terceiro principal destino do turismo doméstico no Brasil, diz IBGE
Turismo

Bahia é terceiro principal destino do turismo doméstico no Brasil, diz IBGE

Visitar parentes ou amigos é principal motivo para viajar, mas baianos viajam mais para tratamento de saúde...

Brasileiro viaja pouco, costuma ir de carro ou ônibus e ficar na casa de parentes ou amigos, diz IBGE
Turismo

Brasileiro viaja pouco, costuma ir de carro ou ônibus e ficar na casa de parentes ou amigos, diz IBGE

A pesquisa na amostra de domicílios cobriu o período de abril até agosto, que não inclui a alta temporada ...

Vídeo

Estudante de escola pública é aprovada em doutorado em Portugal e precisa de ajuda para custear o curso Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram